Etiquetas

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

PARA VIVER UM GRANDE AMOR

 É preciso abrir todas as portas que fecham o coração.
Quebrar barreiras construídas ao longo do tempo,
Por amores do passado que foram em vão
É preciso muita renúncia em ser e mudança no pensar.
É preciso não esquecer que ninguém vem perfeito para nós!
É preciso ver o outro com os olhos da alma e se deixar cativar!




É preciso renunciar ao que não agrada ao seu amor...
Para que se moldem um ao outro como se molda uma escultura,
Aparando as arestas que podem machucar.
É como lapidar um diamante bruto...para fazê-lo brilhar!
E quando decidir que chegou a sua hora de amar,
Lembre-se que é preciso haver identificação de almas!
De gostos, de gestos, de pele...
No modo de sentir e de pensar!
É preciso ver a luz iluminar a aura,
Dando uma chance para que o amor te encontre
Na suavidade morna de uma noite calma...
É preciso se entregar de corpo e alma!
É preciso ter dentro do coração um sonho


Que se acalenta no desejo de amar e ser amada!
É preciso conhecer no outro o ser tão procurado!
É preciso conquistar e se deixar seduzir...
Entrar no jogo da sedução e deixar fluir!



Amar com emoção para se saber sentir

A sensação do momento em que o amor te devora!
E quando você estiver vivendo no clímax dessa paixão,
Que sinta que essa foi a melhor de suas escolhas!


Que foi seu grande desafio... e o passo mais acertado
De todos os caminhos de sua vida trilhados!
Mas se assim não for...
Que nunca te arrependas pelo amor dado!
Faz parte da vida arriscar-se por um sonho...
Porque se não fosse assim, nunca teríamos sonhado!
Mas, antes de tudo, que você saiba que tem aliado.
Ele se chama TEMPO... seu melhor amigo.
Só ele pode dar todas as certezas do amanhã...
A certeza que... realmente você amou.
A certeza que... realmente você foi amada.

Carlos Drummond de Andrade

domingo, 30 de outubro de 2016

TEM PARECER? ENTÃO PODE SER INCOMPETENTE

Como em qualquer contrato de adesão, as piores normas para quem adere vêm em letras pequeninas e são pescadas à linha, pelos “mete nojo do costume”, sempre prontos a desmascarar as jogadas sujas da parte de quem impõe as regras! 


Lentamente, através da comunicação social, lá vamos descobrindo alguns convenientes ajustes à lei que o próximo orçamento  de Estado pretende fazer. 

Hoje, alguma comunicação social dava conta (não com o devido estrilho) da pretensão do governo em desresponsabilizar os autarcas (presidentes de câmaras e de junta de freguesia) de futuros atos financeiros considerados ilegais, desde que suportados num parecer técnico. 
Como???? Então para que interessa a lei, se aqueles que gerem o dinheiro público a podem atropelar à vontade, desde que tenham um parecer técnico encomendado a qualquer empresa amiga? A quem vamos pedir contas do dinheiro mal gasto? À empresa que produziu um documento a pedido, onde a conclusão estava determinada à partida?


Como podem o PCP e o Bloco de Esquerda aprovarem um orçamento onde está inscrita uma medida destas? Isto sim, era suficiente para chumbar um orçamento, pois abre a porta a suspeitas medidas por parte do poder local.
A comunicação social fez o seu papel inicial: denunciar o caso, mas falta mais – não deixá-lo morrer. Acossar os partidos que apoiam o governo, perguntar publicamente a António Costa para que precisam os autarcas de uma lei destas para governar; questionar o Presidente da República sobre esta escandalosa norma.

O argumento, de equivaler os presidentes de câmara e de junta aos ministros face à lei, é pífio e mentiroso. Os ministros são escrutinados ao milímetro (veja-se o caso das falsas licenciaturas dos adjuntos do ministro da educação), mas quem vai ver o que fazem diariamente mais de trezentos presidentes de câmara ou milhares de presidentes de junta?
O que esta norma orçamental diz às claras é que o governo quer dar aos seus boys o poder de comprar, adjudicar, nomear, a seu belo prazer, sem ter de dar cavaco às normas legais de aquisição de bens, adjudicação de obras, contratação de pessoal. Descobrir-se-á que o fizeram ilegalmente? É verdade, mas que importa isso, se são inimputáveis perante a lei?
Meteu o cunhado na Câmara? Contratou serviços do restaurante do melhor amigo sem concurso público? Isso é contra a lei? Querem lá saber da lei. A partir de 2017, a lei é uma coisinha para enganar tolos e parvos.
Lamentável!
Gabriel Vilas Boas


sábado, 29 de outubro de 2016

QUANTOS CALOIROS DE MEDICINA CONHECEM A CRUZ VERMELHA?


Foi num dia de outono como o de hoje que, há mais de um século, nasceu a Cruz Vermelha. A organização internacional de médicos que atua em cenários de guerra tem tido um papel fundamental em todo o mundo, no salvamento de muitos feridos graves, no incompreensível teatro do absurdo dos conflitos bélicos.

Os médicos que põem ao serviço da Cruz Vermelha toda a sua ciência, sabedoria, humanidade, coragem são uns autênticos heróis anónimos, que roubam à morte vida atrás de vida. Por que o fazem? Por que arriscam a sua vida, procurando salvar pessoas que não conhecem? Obviamente porque têm uma dimensão humana superlativa, porque acham que a sua profissão lhes permite ir mais além. 


Estes médicos têm uma visão muito larga e profunda do papel do médico na sociedade. 
Quando me dizem que o médico tem de ganhar mais, porque salva todos os dias vidas num qualquer hospital, ocorre—me sempre esta pergunta: "Mas não é esse o seu papel? Por que haveria de ser premiado por fazer aquilo que é suposto fazer?"

Que objetivos terá um caloiro de Medicina, quando finalmente ganhou o sprint do secundário a milhares de colegas, ao dar os primeiros passos no curso mais ambicionado do país? Pensará que ser médico está muito para além de um ordenado excecional e um estatuto social de primeira? Será que seria capaz de se inscrever na Cruz Vermelha? Será que estes caloiros serão capazes de fazer trabalho gratuito junto de comunidades desfavorecidas? Ou tal ideia nunca lhes passou pela cabeça?

Talvez a Cruz Vermelha seja demasiado exigente com o amor à vida de muitos caloiros de medicina, mas a riqueza de cada indivíduo acaba sempre por se medir mais em valores como a coragem, a humanidade, o desprendimento do que em euros no banco. 
Talvez não fosse má ideia explicar aos caloiros de medicina o que é a Cruz Vermelha. 
Gabriel Vilas Boas.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

MARCELO FOI VER FIDEL


Fidel tornou-se na grande atração turística de Cuba. Uma espécie de Torre Eiffel de Paris ou Buckingham Palace de Londres. Hoje, os líderes políticos mundiais vão a Cuba para ver Fidel como quem vai a um museu ou decide visitar um monumento. Faz parte do roteiro de qualquer presidente ou primeiro-ministro visitar esta lenda viva do comunismo mundial.
Desgraçadamente, Fidel tornou-se num fóssil vivo, num dinossauro da política mundial in stricto sensu, ao lado de quem se gosta de tirar fotos, para depois contar aos amigos “Eu estive com Fidel, em Cuba!”
Ninguém vai a Cuba para falar com Raul Castro ou para saber dos cubanos (como eram hipócritas as nossas preocupações com a falta de liberdade dos cubanos em tempos de Fidel, o humano) ou para estabelecer relações bilaterais.
Obviamente, Marcelo nada disse do que conversaram porque não se conversa com um monumento. Sorri-se a seu lado, tira-se fotos, aperta-se a mão, tem-se aquelas conversas cheias de nada.


O grande erro/problema de Fidel aconteceu há quarenta anos, quando era vivo, e recusou viajar, conhecer gente, observar mundo além das ideias que ganhou nas montanhas com Che Guevara.  
Em Cuba tudo cristalizou lentamente: Fidel, o comunismo, a economia e a sociedade. Não lamento a agonia de Fidel e do seu comunismo, porque ambos escolheram o seu caminho, mas tenho imensa pena dos cubanos que passaram anos e anos a ver o futuro cada vez mais longínquo a desenhar-se magnificamente a poucas milhas de distância. 
Ao contrário do que pensa Fidel, o líder cubano não amava verdadeiramente os seus compatriotas nem queria o melhor para eles.
Os cubanos não eram (nunca foram) tontos nem ingratos. Gostavam de Fidel, alguns até do comunismo, mas acima de tudo amavam a liberdade de ver, sentir, conhecer, escolher. Isso só se consegue quando nos permitem viajar, abandonar a "nossa ilha" e conhecer outros lugares, outras pessoas, outras ideias.
Fidel nunca saiu da ilha que criou e onde sequestrou a aqueles que dizia amar. 
Gabriel Vilas Boas.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

INTIMIDADE


Recentemente, Luís Osório publicou “Amor”, um livro muito interessante sobre Relações, onde a dado passo escreve:
“Uma relação íntima pode existir sem qualquer intimidade. Podemos fazer amor com uma pessoa de quem somos íntimos e com alguém de que pouco ou nada conhecemos. Na cama é melhor que exista intimidade, ouvimos. Nuns casos, sim. Noutros, não. Porque uma relação íntima, com intimidade ou sem ela, só resulta quando, uns e outros, têm a sabedoria de fazer amor sem a rotina de um burocrata. Fazer amor de cor vale o mesmo que o trabalho feito por um operário especializado na mesma tarefa. Precisamos à mesma, mas nunca saberemos o que andámos a perder.


A nossa noção de intimidade está muito limitada ao sexo, o que é uma pena! A intimidade é perfeitamente possível, desejável até, entre duas pessoas que jamais pensaram em se envolver amorosamente. Existe entre duas pessoas que gostam de companhia uma da outra, que prezam longas conversas à mesa do café ou simplesmente têm prazer em partilhar tarefas, conhecimentos, experiências profissionais.


Muita solidão moderna começa na ausência de intimidade. Temos receio de abordar determinados assuntos com os amigos, porque são “demasiado íntimos”, mas a verdade é que eles existem por falta de intimidade com quem nos poderia ajudar a resolvê-los. 



A intimidade é uma relação de cumplicidade que criamos ou recriamos com alguém em quem confiamos, alguém que nos respeita e, sobretudo, alguém que nos faz crescer enquanto pessoas. 
Não abundam pessoas assim na vida de cada um, mas existem. Seria um erro, uma enorme estupidez afastarmo-nos delas por causa daquilo que outros vão pensar ou dizer, porque é inconveniente ser “íntimo” de um homem ou uma mulher que apenas tem o nobre estatuto de amigo. 
A intimidade de cada um é demasiado importante e séria para ficar dependente de qualquer preconceito bacoco.


Gabriel Vilas Boas

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

DIA AMARANTINO DO OSTOMIZADO


Hoje é um dia que os ostomizados de Amarante recordarão com orgulho: na sua cidade foi inaugurada a primeira casa de banho pública da região norte totalmente equipada para os ostomizados. Instalada no Centro de Saúde de Amarante, a referida casa de banho traduz bem o esforço, o empenho a dedicação que a Associação Nacional de Ostomizados – Ano XV, presidida por Léa Valéria Pinheiro tem colocado no melhoramento da qualidade de vida dos ostomizados da região do Tâmega. Atualmente a região conta com mais de 250 ostomizados, a quem a Associação liderada por  Valéria Pinheiro presta todo o tipo de ajuda (psicológica, social, jurídica, material).


Inserida na campanha da Câmara Municipal de Amarante, “Amarante de Igual Para Igual”, o Dia Amarantino do Ostomizado é uma iniciativa feliz, solidária e atenta da edilidade presidida por José Luís Gaspar, que fez questão de estar presente na inauguração, ao final da tarde de hoje, da segunda casa de banho para ostomizados do país, ao serviço da população que teve de se habituar a viver com um saquinho no abdómem.
Na sessão solene que marcou o arranque da campanha “Amarante de Igual para Igual”, o presidente da CMA referiu a responsabilidade social da edilidade para com todas as associações e IPSS que trabalham nas áreas da saúde, envelhecimento e deficiência.

Depois de entregar à presidente da Ano XV uma pequena placa com o símbolo da implementação do Dia Amarantino do Ostomizado, o presidente da CMA e a vereadora Lucinda Fonseca inauguraram a exposição A Igualdade Está Na Rua, que reúne diversos trabalhos das várias IPSS do concelho amarantino. Cada uma das instituições de solidariedade social decorou uma árvore da alameda Teixeira da Pascoes, bem no coração de Amarante, dando a conhecer à comunidade um pouco do seu trabalho e da sua missão.
O Dia Amarantino do Ostomizado prova que a vida não acaba num infortúnio, por mais marcante que ele seja. É sempre possível reagir, aprender a viver com a doença e com a dor, recriar um quotidiano onde os sorrisos voltem a ser um gesto comum.

Gabriel Vilas Boas

terça-feira, 25 de outubro de 2016

CAFÉ SOCIETY


O outono trouxe um misto de sentimentos aos amantes do cinema. Se “Uma rapariga no Comboio” desiludiu em toda a linha, ficando a léguas daquilo que o livro prometia, o “Inferno” de Tom Hanks cumpre os mínimos sem deslumbrar e por isso não ficará na memória. Há mais de um mês nas salas de cinema, “Snowden” de Oliver Stone é um filme magnífico, mas o público das pipocas não tem paciência para tanta elaboração conspirativa de Oliver Stone e, por isso, a película já se despediu da esmagadora maioria das salas de cinema do país.


Lançado no mercado português há duas semanas, Café Society  é um filme de qualidade, que convém ver antes que se vá. Para não variar, tem a marca de um grande cineasta, o octogenário Woody Allen. Allen propõe-nos uma viagem até à Hollywood dos anos 30, quando a grande fábrica dos sonhos começava a consolidar o cinema sonoro.
E por que razão nos leva, Woddy Allen a Hollywood dos anos trinta, sendo ele um amante de Nova Iorque e tão crítico da  meca do cinema? Precisamente para estabelecer a diferença entre as duas grandes cidades americanas. Nova Iorque lambia as feridas do crash, Hollywood era a capital do glamour.  Allen coloca o nova-iorquino Jesse Eisenberg à procura do sucesso nas paisagens da Califórnia ao mesmo tempo que vai mostrando, com uma ironia quase cruel, o lado negro da fábrica dos sonhos de Hollywood. 


A beleza do filme está na maneira como o realizador americano combina na perfeição banda sonora, diálogos, “décors”, reconstituição de época, história, qualidade de interpretação dos atores. Essa mistura certeira de ingredientes cinematográficos apenas está ao alcance de grandes realizadores como Woddy Allen e isso fica bem patente em Café Society.
Além da reconstituição nostálgica de um época marcante na história de Hollywood e da dicotomia que o realizador quer estabelecer com a sua amada Nova Iorque, o filme de Woddy Allen permite ao espectador uma viagem reflexiva e melodramática aos encantos e desencantos dos impulsos amorosos. É isso que podemos retirar do envolvimento de Jesse Eisenberg com a secretária Kristen Stewart.
Mas o melhor é passar uma vista de olhos pelo trailer e depois decidir-se por uma escapadela a um cinema perto de si, porque o filme de Allen é de qualidade.
Gabriel Vilas Boas  



segunda-feira, 24 de outubro de 2016

OU GANHAMOS COM JUSTIÇA OU PERDEMOS COM HONRA


A Tesla é uma conhecida empresa americana que desenvolve, produz e vende automóveis elétricos. Desde sempre o seu patrão definiu como política da empresa “não fazer descontos”. Os empregados não estavam autorizados a negociar qualquer baixa do preço final definido pela administração.
Envolvidos numa disputa titânica pela conquista de mercado, alguns vendedores da marca decidiram fazer uns descontos a alguns clientes, como forma de não os perder e desse modo cumprir os objetivos de vendas.

Quando o patrão, Elon Musk, soube disto não gostou e reagiu de uma maneira totalmente inesperada, através de uma carta aos seus trabalhadores, lembrando-lhe os valores fundamentais da empresa e a honra que deve nortear qualquer negociante.
Começou e terminou elogiando o trabalho e os resultados alcançados por todos eles, mas centrou a sua mensagem em algo que pode ser resumido na seguinte frase: “Ou ganhamos de forma justa e correta ou perdemos com a nossa honra intacta e aceitamos as consequências.”
Se a política da empresa era não fazer descontos, não havia que fazer batota. Era preferível perder o negócio a perder a honra. Para aquele patrão, era essencial que todos os clientes da Tesla soubessem que eram tratados de igual maneira, que nenhum deles era especial ao ponto de obter um desconto que sempre foi negado a todos.

A empresa ia à luta com o seu Know How, a sua política de preço, a confiança que os seus clientes depositavam na marca. Ganharia os negócios que fossem possíveis ganhar e perderia outros. É assim que acontece no mundo dos negócios e na vida.

O que o patrão da Tesla lembrou a todos os seus empregados, além de satisfação com o seu desempenho, é que aquilo que muito bem definiu um escritor espanhol do século XVI: “Quando um homem perde a honra por causa de um negócio, acaba por perder a honra e o negócio”.
Gabriel Vilas Boas

domingo, 23 de outubro de 2016

PROTEGER IDOSO À COMISSÃO


Hoje, o Jornal de Notícias titulava que um conjunto de magistrados do Ministério Público e autarquias do distrito de Braga trabalham para a criação de uma "Comissão Nacional de Proteção do Idoso". O ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, acha a ideia interessante e passível de discussão. A ideia é interessante e é possível que avance, mas, em meu entender, claramente insuficiente. Além do mais, era possível fazer mais e melhor.

Comecemos pelo que há de positivo: os magistrados do Ministério Público envolverem-se, enquanto cidadãos, em propostas efetivas para melhorar a vida dos cidadãos mais desprotegidos. A isto acresce a vontade do ministro (Não ter ciúmes da ideia já é uma boa notícia!) e alguma utilidade que a comissão pode ter. Por comparação, a Comissão de Proteção de Menores consegue minorar os graves problemas de dezenas de milhares de jovens em Portugal.
No entanto, a ideia (louvável) da Comissão de Proteção do Idoso parece-me curta. Os idosos têm pouco tempo de vida com qualidade para esperarem que os seus processos andem a marcar passo numa qualquer comissão de proteção de idosos. O governo pode e deve fazer melhor. Desde logo a nível legislativo. 

As leis protegem pouco os idosos face aos oportunistas de ocasião, especialmente quando são familiares diretos. Se a lei protege, e bem, um idoso, do famoso golpe do baú, obrigando a que uma pessoa com mais de sessenta anos case imperativamente no Regime da Separação de Bens, já nada faz quanto à doação de todo o património aos filhos. Não são raros os casos em que, passados poucos meses, os velhos se vêem na rua, sem casa, sem bens, sem dinheiro, profundamente magoados com os seus filhos. A lei devia obrigar a que os velhos ficassem imperativamente com o usufruto da casa de família até à morte do último dos pais. Era fácil legislar nesse sentido. O mesmo se diga quando as partilhas se fazem com os pais ainda vivos.
Se o Estado quer ajudar e proteger os mais idosos, bem que podia garantir, em cada sede de concelho, lares condignos, medicamentos a preços simbólicos para idosos com reformas abaixo do ordenado mínimo, um rede pública de cuidados continuados sustentada e alargada.
Na proteção aos idosos há ainda muito a fazer, quer a nível legislativo quer a nível dos cuidados de saúde. Aumentar dez euros a reforma até é a medida mais fácil e mais barata.

Gabriel Vilas Boas 

sábado, 22 de outubro de 2016

O QUE TENS, O QUE QUERES E… NÃO PODES COMPRAR


Não penses nos filhos nem nos pais, muito menos nos amigos ou no grande amor da tua vida. Isso não vale. Não são teus, muito menos tua propriedade. Pensa nas pequenas e grandes coisas que compõem o teu dia-a-dia e te deixam alegre, satisfeito, confortável. Sê objetivo, sério, rigoroso.
Agora verifica lá quantas delas não dependem do tamanho da tua carteira. A questão é que não lhes dás valor; algumas nem nelas pensas, mas se as perdesses, por um dia que fosses, percebias quanto são importantes para ti.
Não se trata da velha cantiga sobre o dinheiro que não compra a felicidade, mas de um perceção correta daquilo que nos faz sorrir todos os dias. Sem preconceitos, sem vergonhas, sem autocensura, admitindo mesmo que algumas delas apenas o dinheiro nos pode oferecer e que outras são profundamente egoístas. Mesmo tendo em considerações todos estes «ses», acho que a maioria de nós ficaria surpreendido com o resultado desse check-up pessoal.


Há um núcleo de coisas de que gostámos inexplicavelmente desde sempre. Depois há outro grupo que vai mudando ao longo do tempo. Lenta e inexoravelmente. Às vezes nem nos damos conta, mas as circunstâncias, os amigos, os colegas de trabalho, os familiares que arranjamos e aqueles que nos arranjaram «transformam-nos» e moldam-nos. Alguns reservam ainda um pequeno espaço para as suas opções, os seus projetos, seus sonhos, os seus objetivos de vida.
Se olharmos objetivamente para qualquer um destes grupos, encontraremos momentos, situações, sensações, sentimentos que temos ou queremos ter e que dependem zero do dinheiro. Então, não é verdade que o euromilhões, a raspadinha ou o placard nos devolva a alegria de viver ou garanta a felicidade por vários anos.
Aquilo que temos ou queremos ter e a que damos valor depende, quase sempre, de um esforço pessoal e consistente. 
Os melhores testemunhos de satisfação pessoal vêm de pessoas que mudaram a maneira como perspectivavam a vida; vêm de pessoas que construíram o seu próprio plano de vida, definindo objetivos curtos, realistas, apropriados à sua personalidade e realidade. 
O fator dinheiro, o fator sorte, o fator «não é para mim» passou a ter uma importância relativa. E realmente as suas vidas mudaram… muito.
É verdade que a vida não nos presenteia com muitas oportunidades para mudarmos, mas não é verdade que não haja nenhuma, nem é certo que a última que desperdiçámos foi mesmo a última.

Gabriel Vilas Boas 

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

LABIRINTO




Por quê continuar a sonhar?
Por quê imaginar esse mundo
Que no Fundo
É só Brincar?
Essa Felicidade
Cheia de ilusão
Que fazes parecer verdade
Na imaginação.





Cansas-te a arquitectar,
A tentar surpreender
A razão,
Nessa busca constante
De prazer,
De Emoção.
De algo que te prende
E enoja.
Que te esgota
E não se rende.
……..
Continuas a correr,
A procurar no escuro…
Sem perceber
Que o que procuras

És tu!

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

PROIBIDO FUMAR A CINCO METROS


De tempos a tempos, um qualquer membro do governo ou um deputado ou até um dirigente partidário brinda-nos com uma proposta legislativa hilariante, normalmente inexequível, quase sempre patética, mas que serve para entreter as conversas de café. Normalmente estas brincadeiras cabem ao Bloco de Esquerda, mas a Juventude Socialista não gosta de deixar o Bloco sem troco. Uma vez por outra a doideira sobe à cabeça do grupo parlamentar.
Esta semana, o grupo parlamentar do PS anunciou que está a pensar propor uma lei que proíba fumar na rua (!!!), mas não é em qualquer rua nem na rua inteira. Só naquele espaço que dista menos de cinco metros de hospitais, creches, escolas, ginásios, bares, átrios, bares, restaurantes…


Estou mesmo a ver a polícia a passar a ronda pelos portões das escolas, entradas dos hospitais, estacionamentos dos restaurantes, com fita métrica na mão, dirigindo-se ao utente, ao professor, ao médico, à mãe que acabou de deixar a criancinha no infantário, sacando do bloquinho das multas, talão 653, com aquele ar de felicidade que só um polícia sabe fazer quando se prepara para passar um multa, e anunciar: «O senhor está multado, por ter puxado do cigarro junto à portão da escola! Que mau exemplo!»
Surpreendido, o pai lá refere que ainda não acendeu o cigarro, o polícia consulta novamente a lei, para ver se há alínea para cigarro por acender; o pai, pelo sim pelo não, dá dois passos em frente; o polícia manda-o recuar; os curiosos começam a juntar-se, tomando partido pelo pai que ia fumar mas ainda não acendeu o cigarro; o polícia começa a enervar-se; a canalha aproveita para aglomerar-se junto à vedação do lado de dentro da escola; o pai dá mais uns passinhos para a rua; os automobilistas começam a apitar, porque a estrada está impedida; toda a gente muda de passeio; o pai diz que já está atrasado para o emprego, mas que até está disponível para pagar a multa, no entanto requer que seja medida a distância para o portão da escola; o polícia percebe que se esqueceu da fita métrica no carro patrulha; os alunos riem e deixam-se ficar; o polícia calcula a distância a olho; o pai não aceita e pede nova análise. Entretanto, o pai já não tem o cigarro na mão, nem no bolso do casaco e o polícia não sabe o que há de fazer.


Noutro ponto da cidade, duas mulheres saem do restaurante, entram no carro que está estacionado em frente, colocam o cinto, acendem o cigarro, mas antes de darem a primeira passa já estão com o zeloso polícia à perna, a pedir-lhes os documentos, para as multar por fumarem a menos de cinco metros de um restaurante. Tinham elas poupado na sobremesa! Que tontas!
Numa sociedade que devia prezar o respeito pelo outro não se podem fazer leis em modo “pide dos costumes”, querendo impor aos outros condutas e atitudes que colidam com o exercício da sua liberdade.
Falar-me-ão do exemplo que um professor, um médico, um pai devem dar. É verdade, mas em sociedade todos devem dar exemplo. Não há classes que tenham perante a lei um dever especial de exemplo.
Um dos atributos da lei é a justiça, outro é a igualdade genérica perante a mesma e outro é o bom senso.


Gabriel Vilas Boas

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

OS AMIGOS DEIXARAM DE JANTAR LÁ EM CASA


Não deixámos de conviver com os amigos, deixámos de os convidar para jantar lá em casa.
Os jantares sem hora para acabar, onde histórias antigas se cruzavam com as novidades que cada um se dispunha a contar da sua própria vida, passaram a realizar-se (quando acontecem) no restaurante da moda ou da memória.
Agora os momentos de intimidade entre amigos de longa data acontecem ao telefone ou no chat do facebook. A casa passou a ser demasiado íntima, até para os nossos principais amigos. Não, não é o trabalho que dá preparar um jantar, nem a chatice da loiça no final para lavar ou a sala que ficou pequena desde a última vez, em que os convidámos.

Preferimos este terreno neutro do restaurante, porque há um mínimo de compostura que se mantém num sítio público e porque há assuntos que convencionamos não abordar num sítio indicado para celebrar. Preferimos o telefone ou a internet, porque tememos que nos escrutinem o olhar e descodifiquem os sinais que a face transmite.
A amizade tem memória de elefante e curiosidade de mulher. Conhece o significado do quadro pendurado na parede; repara nas cadeiras que já faltam à volta da mesa de jantar e quer saber por que raio deixámos de fazer sobremesa, ao sábado à noite.
Consciente ou inconscientemente, fomos mudando os hábitos à amizade. Tornámo-la mais sofisticada, aparentemente mais íntima, na verdade, gerida com telecomando.
Mais ou menos equipada, mais ou menos arrumada, a casa passou a ser o local da nossa intimidade não revelável. O sítio onde as emoções, os segredos, os sonhos e as preocupações passeiam à solta sem que ninguém os incomode, sem que ninguém os questione.
E isso não nos atira às garras da solidão? Claro que sim! Quando não atendem o telefone ou o cardápio do chat não é suficientemente atrativo para as necessidades do momento, refugiámo-nos numa ficção qualquer, frente ao ecrã, mas não nos passa sequer pela cabeça convidar um amigo para a próxima noite de folga.

Gabriel Vilas Boas 

terça-feira, 18 de outubro de 2016

LUÍS XIV PÕE FIM À TOLERÂNCIA DOS HUGUENOTES, 1685


Genericamente os Huguenotes é nome dado aos membros da Igreja Reformada francesa, ou seja, aos protestantes franceses no século XVI. O movimento da Reforma iniciada por Martim Lutero também impressionou os cristãos franceses que reconheciam justiça nas críticas que o prelado alemão fazia à Igreja de Roma. O mundo vivia já em pleno Renascimento e a Iade das Trevas tinha ficado definitivamente para trás. No entanto, a Igreja Católica lutava obstinadamente contra essa viragem de mentalidades, defendendo com unhas e dentes o seu poder terreno.

No final do século XVI (1598) o monarca francês (Henrique IV) promulgou o famoso Édito de Nantes onde a política de tolerância religiosa, em solo francês, encontrava guarida. Esse documento foi muito importante, porque pôs termo a intestinas guerras religiosas que minavam a paz em França.
Com a chegada de Luís XIV ao poder, a política de tolerância inverteu-se. A partir de 1641, o neto de Henrique IV foi paulatinamente retirando liberdades aos Huguenotes. Esta política de intolerância culminou com o famoso Édito de Fontainebleau, de 18 de Outubro de 1685, onde morre de forma «perpétua» e «irrevogável» (como se tal fosse possível) o édito de Nantes. Os Huguenotes ficavam proibidos de se reunirem, de praticarem qualquer ato religioso. “Os ministros da religião alegadamente reformada” tinham 15 dias para se converter ao catolicismo ou para abandonarem o país. Na sequência de tal édito, mais de 300 mil Huguenotes fugiram de França.  
Durante séculos Igreja, reinos e Impérios não fizeram outra coisa que não lutar pelo poder temporal. Se isto é justificável no caso de Imperadores e Reis, é absolutamente reprovável no caso da Igreja Católica. As diferenças entre Igreja que acreditam no mesmo Deus resultam mais dos erros dos crentes que dos princípios da religião. O único poder que a Igreja devem querer cimentar e ampliar é o poder espiritual. Tudo o resto é, no fundo, contradizer-se.

Gabriel Vilas Boas  

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

OS ALUNOS SÓ SE PORTAM MAL COM OS PROFESSORES MAIS VELHOS?


Claro que não. Os alunos não fazem esse tipo de distinção perversa: eles portam-se mal ou bem com todo o tipo de professores: os mais velhos, os mais novos, as mulheres, os homens, os efetivos, os contratados, o que estão na escola há décadas, o que chegaram na semana passada…

A única verdade do estudo sobre indisciplina, de que alguns órgãos de comunicação social fizeram eco, é que os professores mais velhos se queixam mais da indisciplina dos seus alunos do que os professores mais novos. E não é fácil perceber as razões. 

No meu ponto de vista, a primeira e mais importante razão é que a maioria dos professores mais antigos tem uma noção mais rígida de indisciplina que os professores mais novos. Há determinados comportamentos, atitudes, palavras que um professor com trinta anos de casa não tolera a um adolescente, apesar de este não o ter feito com intenção ou não ter consciência da gravidade ou má criação que esse gesto, palavra, atitude constituiu para o seu professor.

Há também que considerar o cansaço, o desânimo que invade os professores seniores. São muitos anos de expectativas frustradas, muitas situações de indisciplina vividas, muitas angústia e tristeza acumuladas com injustiças cometidas sobre eles, com agressões verbais e faltas de consideração por parte de alunos, pais, colegas, órgãos diretivos, ao longo de vários anos. Ao fim de décadas de ensino isso produz o seu efeito no modo com toleram ou não os comportamentos irreverentes dos alunos.


Convém ainda recordar que quanto maior é o afastamento etário entre professor e aluno maior é a diferença de mundividência e maior a incompreensão face ao outro. O professor mais velho tem mais dificuldade em entender as atitudes dos alunos como irreverência própria da idade, achando-as à partida indisciplina grosseira, como os jovens não fazem qualquer esforço em perceber que aquele professor mais antigo foi educado com outro código de conduta na escola e portanto a sua noção de disciplina é mais rígida. Quando ninguém se esforça por entender o outro, o choque é mais rápido e violento.

No entanto, tudo isto que acabo de referir não deve tirar o foco do essencial: a indisciplina na escola é um fenómeno transversal a todo o tipo de professor. A generalidade das atitudes de indisciplina são-no assim entendidas por todos os professores. Claro que as escolas, os professores, os pais devem engendrar estratégias que façam diminuir a violência nas escolas portuguesas, mas convém não ignorar o principal: o maior erro é de quem é violento e malcriado. Se esse não mudar radicalmente de atitude não há estratégia que se salve nem professor que esteja a salvo.

GAVB  

domingo, 16 de outubro de 2016

CUIDADO COM O QUE DESEJAS! ÀS VEZES, O DESTINO FAZ-TE A VONTADE


Certo dia o irlandês Óscar Wilde escreveu que, “quando Deus nos quer punir, ouve as nossas preces”.
Mais do que uma ironia da vida, o céu que vira inferno é uma amarga realidade com que muita gente, inesperadamente, tem de lidar.
Isto pode acontecer por vários motivos. O mais comum é a perceção errada daquilo que desejamos. Efabulamos frequentemente sobre determinada realidade, pessoa, emprego… observando apenas o lado glamouroso da questão.

Outro erro típico é criar expetativas demasiado altas. Quando isso nos acontece, aquela pessoa, aquele trabalho ou até aquele projeto que sempre sonhámos viver só nos pode desiludir, pois dele esperamos o possível e o impossível. Ele tem de preencher anos de espera e satisfazer plenamente os objetivos do presente.
Uma conclusão difícil de admitir é a impreparação para viver tudo aquilo que tanto desejámos. Quantos euromilionários não acabaram na mais profunda angústia e pobreza, porque não conseguiram gerir psicologicamente o novo estatuto de inesperado rico? Quantas vezes o emprego de sonho não se tornou num pesadelo de proporções inimagináveis? Quem não conhece histórias de namoros de anos que terminaram em casamentos de dias? Claro que isto não é a regra, mas arriscaria dizer que é muito mais que uma exceção de rodapé.

Por mais que não gostemos desta ideia, alguns dos nossos desejos e sonhos têm um tempo certo para serem concretizados e, mais importante, exigem que deles tenhamos um conhecimento rigoroso e realista.
Obviamente que há sonhos que duram a vida inteira e para os quais estamos e estaremos sempre preparados para abraçar. Claro que há realidades, pessoas, projeto, que conhecemos de cor, nas suas virtudes e defeitos, que nunca nos desiludiram nem desiludirão, mas é bom ter a consciência que a concretização dos nossos sonhos nem sempre nos fará felizes.
Ainda que nunca cheguemos a ter a certeza disso, há momentos de sorte no meio do azar.

Gabriel Vilas Boas  

sábado, 15 de outubro de 2016

CHEGOU COM AS MÃOS VAZIAS, PARTIU COM O MEU CORAÇÃO NAS MÃOS



“Quando veio
mostrou-me as mãos vazias,
As mãos como os meus dias,
Tão leves e banais.
E pediu-me
que lhe levasse o medo
Eu disse-lhe um segredo:
Não partas nunca mais!”

Investir em algo ou alguém com potencial é altamente atrativo, mas também racional, fácil, cómodo, lucrativo. O retorno é expectável, sedutor e surgirá rapidamente. Bem mais difícil é investir tudo aquilo que somos num projeto cheio de «ses» ou dedicarmo-nos de corpo e alma a alguém que parece um labirinto de problemas. É preciso competência, vontade e, sobretudo, amor.
Claro que há pessoas mais interessantes do que outras como há projetos mais atrativos que outros, mas o grande segredo do negócio e da felicidade é ver para além do óbvio, ou seja, o lucro imediato.

Muitas relações humanas falham porque apenas nos concentramos naquela máxima tão oportunista “o que é que eu ganho como isso?”, que nos faz perder a profundidade de grandes almas.
Como intuir um grande amor, uma grande amizade, uma ligação maravilhosa em alguém prostrado sobre a vida? A intuição é aquela ciência pessoal que funciona de maneira diferente em cada pessoa, mas há sempre um gesto, um olhar, uma conversa, uma atenção que nos interpela a consciência… e a que devemos dar valor.
A maior riqueza das nossas vidas estará sempre na amplitude das relações humanas que vivemos e portanto devemos aplicar aí o melhor de nós. O tempo, a paciência, a inteligência emocional, o amor/amizade, os recursos materiais.
Alguém que chega até nós com as mãos vazias e/ou o coração despedaçado é um desafio à nossa riqueza pessoal. Ou estamos à altura do desafio ou, então, somos bem mais pobres do que pensamos. Uma vida sem desafios é um tédio insuportável. E aqueles com quem nos relacionamos são um desafio permanente.

Gabriel Vilas Boas

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DEFICIENTES - AMARANTE



Talvez poucos amarantinos saibam, mas o seu concelho tem mais de três mil pessoas com deficiência. É um número importante e que justifica a existência de uma espécie de delegação da Associação Portuguesas de Deficientes.
A APD - Amarante existe desde de 2008 e desde então procura ajudar todos os amarantinos com alguma espécie de deficiência. Há muito a fazer e os recursos são limitados, por isso cada conquista é motivo de alegria e regozijo por parte daqueles que temporariamente ocupam a direção da APD de Amarante.
Além das dificuldades económicas com que muitas das famílias das pessoas com deficiência se debatem, Amarante é um território difícil para um deficiente, onde as barreiras arquitetónicas são a regra e não a exceção. Pouco são os edifícios, públicos e privados, que foram pensados para os deficientes. O mais desesperante é que nas últimas décadas pouco investimento público foi feito para tornar acessíveis certos espaços aos deficientes, que vêem nessas barreiras mais um motivo de exclusão.


Na recente tomada de posse dos órgãos sociais da APD de Amarante, o seu presidente chamou a atenção do Presidente da Câmara para a necessidade da autarquia fazer mais por estas pessoas, quase sempre esquecidas pelos projetos de investimento camarário.
Durante este verão a APD de Amarante empenhou-se a fundo no Projeto Tampinhas, através do qual angariou fundos para comprar material necessário para a locomoção de alguns deficientes motores. Além dos vários membros da direção, estiveram envolvidos nestas atividades muitos jovens do concelho através do projeto Pré-ocupa-te.

A Associação presidida por Rosa Lemos presta uma ajuda mais profunda e ampla aos amarantinos que são portadores de deficiência. Desde logo disponibilizando informação e legislação aos associados; envidando esforços para inserir social e profissionalmente estes deficientes, organizando atividades sociais, culturais e desportivas promotoras do bem-estar físico e psicológico destes cidadãos de Amarante, estabelecendo protocolos comerciais com algumas entidades que possam prestar serviços a deficientes, de modo a tornar o seu custo de vida mais acessível.
Consciente de que ainda há muito a fazer, quer ao nível do apoio financeiro quer ao nível do apoio psicológico, a APD Amarante sabe que o melhor que a sociedade amarantina pode dar aos seus conterrâneos é fazê-los sentir-se parte ativa da comunidade: nos cafés, nas repartições públicas, nas ruas das cidades, nos estabelecimentos comerciais. Um simples ajudar uma cadeira de rodas a subir um passeio ou a entrar num restaurante, com um sorriso nos lábios, torna o dia de um deficiente bem mais feliz.  

Gabriel Vilas Boas