Etiquetas

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

ENTREVISTA AO DIRETOR AGNELO FIGUEIREDO (2.ª Parte)



Acha que o recente debate sobre o financiamento do ensino privado devia ser um tema prioritário no setor da educação?
Não sei. Trata-se de uma matéria que conheço mal. Mas, porque todos os anos publicito os custos reais do serviço de educação no nosso agrupamento, posso asseverar que uma turma nossa custa bastante mais do que os 80.500 euros que essa turma custaria num colégio com contrato de associação, e fiquei com a ideia de que a maior parte das pessoas ficou a pensar o contrário. Acredito que existam inúmeras razões válidas para decidir diminuir o número de turmas em contrato de associação, mas penso que a poupança de dinheiro não deve ser uma delas. E é o que posso dizer, uma vez que, como referi, conheço mal toda esta problemática.

Quem vai ganhar a “guerra” entre as editoras e o Ministério de Educação?
Acho que o Ministério tem tudo para a ganhar. Já agora, esta é uma guerra que não existiria num quadro legal de plena autonomia das escolas.


O que falta fazer para melhorar os resultados escolares?
Penso que já respondi, no essencial, quando abordei a questão da participação dos pais. Hoje, mais do que nunca, sem pais realmente interessados, sem pais que valorizem a escola, não haverá resultados animadores.

O que falta fazer para baixar os índices de indisciplina?
Para além do que já disse, urge conferir ao professor um estatuto de autoridade pública. Por outro lado, é premente que o Ministério não contribua para a perseguição dos professores quando estes se atrevem a impor a autoridade. E ainda este ano tive um caso desses.

Acrescento que, eventualmente, um sistema de transição automática poderia minorar a eclosão de comportamentos disruptivos precoces. Contudo, o preço não seria despiciendo, uma vez que, muito provavelmente, iria desabar no 9.º ano uma legião de iletrados que não o conseguiria concluir. Mas, ainda assim, as vias alternativas poderiam, nessa altura, vir a dar resposta à continuidade dos alunos, com posterior encaminhamento para vias profissionalizantes de nível secundário. De resto, a idade dos alunos no final do 9.º ano já não é propícia a que então descambem. Poderia ser uma forma de minorar a indisciplina, sim.


Que balanço faz ao trabalho realizado pelo atual Ministro da Educação?
Desde logo, fui e sou muito crítico da decisão de eliminar os exames dos 4.º e 6.º anos. Os exames, contrariamente a muitos discursos inflamadamente proferidos, não chumbavam alunos. Pelo contrário, tendo em conta o peso que tinham, os exames até podiam permitir que alunos reprovados pudessem vir a reunir condições de transição. Era bom que isto ficasse bem claro. É que a real necessidade dos exames não tem nada a ver com chumbos, mas antes com a disponibilização de dados que permitiam que as escolas fizessem benchmarking, que investigassem práticas das suas congéneres, que reflectissem e que tomassem medidas com vista à melhoria das aprendizagens. E isso perdeu-se inexoravelmente com o fim dos exames.

Depois, e embora nunca a tenha podido utilizar, uma vez que não somos TEIP nem temos contrato de autonomia, não achei nada bem a eliminação da BCE, que era uma forma de conferir às escolas uma capacidade mínima para seleccionar docentes. A BCE tinha problemas, sim, mas de ordem técnica, sobretudo no primeiro ano, com autênticas barracadas que tardaram em ser resolvidas e que acabaram por inquinar o processo aos olhos da opinião pública. Contudo, o seu racional era o correto.

Quanto ao resto, naquilo que concerne ao quotidiano da Escola, o actual Ministro não se distingue dos seus antecessores.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

ENTREVISTA AO DIRETOR do AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MANGUALDE (Agnelo Figueiredo)


1.ª PARTE

Quais as motivações que estiveram na base da sua candidatura ao cargo de diretor do seu Agrupamento? Quais foram os seus maiores desafios?
Para responder à questão da motivação, teria de recuar a 1988, ano em que, pela primeira vez, me candidatei em lista ao Conselho Diretivo da Escola Secundária. Era uma altura muito especial porque a escola iria ocupar instalações novas a estrear. Era um desafio muito forte. Era quase como montar uma escola de raiz. E, essa terá sido a principal motivação.
Depois, com uma curta interrupção, foram 20 anos que passaram muito rapidamente até 2008 e ao DL 75/2008, na sequência do qual apresentei candidatura a director. Passados 2 anos, em 2010, fui escolhido pelo Ministério para presidir à Comissão Instaladora do então constituído Agrupamento de Escolas de Mangualde. Nessa altura, o desafio era ainda maior uma vez que não tinha sido pacífico, mesmo nada, o processo de junção das três escolas, tendo ficado muitas feridas por sarar, algumas das quais ainda hoje persistem. Era precisa uma pessoa capaz de estabelecer pontes e gerar consensos, para além de experiência de gestão e competências específicas, o que me levou a avançar. E, num Conselho Geral altamente partidarizado, acabei por vencer com 11 votos contra 10 do outro candidato.

Um estudo recente de Joaquim Azevedo evidenciou uma classe docente desmotivada. Como estão os seus professores?
Da minha já longa experiência, acho que esse não é um fenómeno de agora. Sempre houve professores desmotivados. Há 30 anos também havia professores com pouca dedicação à escola. Era o tempo em que se procurava um horário com tardes e/ou dias livres para se compor o vencimento dando aulas num colégio, numa escola profissional, num centro de explicações e por aí fora. A escola vinha em segundo lugar. Por isso, os efeitos acabavam por ser os mesmos do que agora. De resto, os professores hoje desmotivados são praticamente os mesmos que há 20 anos.

Mas nesta lógica de motivação, há um aspeto que me surpreende. É que, mais que desmotivados para o seu exercício profissional, vejo os professores demasiado cansados até para lutar pelos seus direitos. Lutar por melhores condições. Repare-se que vamos com mais de oito anos de congelamento das progressões. São dois escalões remuneratórios. Ora, se já se fizeram tantas greves e manifestações por razões quantas vezes fúteis, não seria esta uma razão fortíssima para os professores se mobilizarem? Ainda mais quando já foi declarado o fim da austeridade? Acho isto paradoxal.

Se pudesse escolher os professores e os funcionários do seu Agrupamento exerceria esse poder? Por quê?
Sem qualquer dúvida. Os professores deviam ser selecionados e contratados pelo órgão de topo de cada escola, que actualmente é o Conselho Geral. Essa seria a única forma de conferir real autonomia à escola e de lhe poder, legitimamente, exigir responsabilidades. Seria, também, a forma de acabar com o autêntico desvario que é a dança anual de professores, com todos os inconvenientes para a criação de equipas pedagógicas estáveis. Cabe aqui dizer que a forma de colocação de professores que temos tido, tem sido acerrimamente defendida pelos sindicatos, exactamente por conseguir atingir o efeito que eles pretendem: a proletarização dos docentes. Contudo, existe uma evidência que não se pode escamotear e que é: "Os professores não são todos iguais e todos igualmente proficientes". Não são. Por isso, fico triste quando vejo que os professores se têm em tão pouca conta, como decorre dos resultados do inquérito que o "Com regras" fez. O concurso centralizado parte do princípio que tanto vale um professor como outro qualquer. Ora, um professor que se acha igual a qualquer outro tem-se em fraca conta. Acaso os médicos serão todos iguais? Tanto faz ser operado por um ou por outro? E os advogados? Se tivermos hipóteses, fazemos escolhas, ou não? Isto, além do mais, é uma lástima para a minha classe profissional, para os professores.


Quais as limitações que a Lei e a tutela lhe impõem que mais condicionam o seu trabalho?
A obsessiva centralização do sistema é asfixiante, como é deprimente a desconfiança da administração educativa relativamente ao trabalho nas escolas. É infindável o número de “merdinhas” emanadas dos serviços centrais e regionais que têm de ser meticulosamente executadas, quantas vezes com prazos incumpríveis. É como tenho dito: Enche-se a boca com a autonomia mas cada vez mais se indiferenciam as escolas, fazendo tábua rasa das suas especificidades e tratando-as como meras delegações do omnipotente Ministério da Educação. Péssimo!


Que estratégias devem ser prosseguidas para atrair os pais e restante comunidade educativa a uma maior participação na Escola?
Contrariamente ao que a pergunta induz, a participação dos pais na escola e na vida escolar dos filhos é crescente e não tem paralelo com o que se passava há 20 ou 30 anos. O que hoje acontece é algo de diferente. É que a escola acolhe hoje, e bem, uma gama de alunos que dantes a abandonava precocemente. Grande parte deste “novos” alunos é oriunda de meios sociais carenciados e tem agregados familiares instáveis, quando não desestruturados e disfuncionais. Malogradamente, é nestes estratos que a taxa de natalidade tem ainda alguma expressão, o que leva a que a percentagem deste tipo de alunos seja crescente. Ora, hoje, são principalmente os pais desses alunos os que não participam nem se interessam pelo percurso escolar dos filhos, isto é, exactamente aqueles que os professores e directores de turma mais gostariam de ter na escola.
Este é um problema com solução muito difícil no curto prazo, o qual, todavia, poderia ser encurtado através de políticas de incentivo e desencorajamento, mormente através da ponderação das prestações sociais pecuniárias.





quarta-feira, 28 de setembro de 2016

SEREIA ENGANOSA

Mar!
Enganosa sereia rouca e triste!
Foste tu quem nos veio namorar,
foste tu depois que nos traíste!
Mar!
E quando terá fim o sofrimento!
E quando deixará de nos tentar
o teu encantamento!
"O Mar"
Mar!
Tinhas um nome que ninguém temia:
era um campo macio de lavrar
ou qualquer sugestão que apetecia
Mar!
Tinhas um choro de quem sofre tanto
que não pode calar-se, nem gritar,
nem aumentar nem sufocar o pranto… 
Mar!
Fomos então a ti cheios de amor!
E o fingido lameiro, a soluçar,
afogava o arado e o lavrador.
Miguel Torga

terça-feira, 27 de setembro de 2016

A LONGA MARCHA SAUDITA PARA A IGUALDADE DE GÉNERO




Quase quinze mil sauditas pediram ao rei Salman o fim do sistema de tutela das mulheres, que as obriga a pedir autorização a um homem para estudar, casar, trabalhar ou sair do país.
Na Arábia Saudita as mulheres não são tratadas como cidadãs de pleno direito, submetendo-se por completo a leis indignas que as aproximam muito mais da escravidão do que da cidadania.
Num dos países mais ricos e influentes do mundo, as mulheres estão proibidas de conduzir e têm sempre de ter um elemento masculino (pai, irmão, marido, tio) que as tutele, para realizar coisas tão simples como exercer uma profissão, viajar, frequentar uma escola.
A petição, que ainda não foi aceite pelo rei, pede coisas elementares, mas que para as mulheres sauditas serão grandes conquistas. Também seriam para qualquer mulher de outra nacionalidade, porque qualquer dos elementos que definem a dignidade humana é essencial.

Estas quinze mil pessoas que tiveram a coragem de assinar esta petição querem continuar a dar força a uma lenta mudança de mentalidades naquele país do médio oriente. Em 2011, as mulheres sauditas puderam votar pela primeira vez em eleições municipais. Agora, com esta petição, esperam que o rei comece por definir a partir de que idade a mulher é considerada adulta e, por consequência, responsável pelos seus atos.
Será uma luta longa, porque a mentalidade machista do mundo árabe é das ervas daninhas mais resistente da humanidade, mas uma luta a que outros povos se podem associar, tornando o sofrimento e humilhação destas muçulmanas o mais breve possível. As opiniões públicas dos países mais poderosos têm a obrigação de pressionar os seus governos a não negociar com os dirigentes sauditas. Bem sei que a Arábia Saudita é um dos maiores produtores de petróleo a nível mundial, um país riquíssimo, capaz de aguentar um embargo por longo tempo, mas a força de um país como os EUA, por exemplo, também se mede na forma como lida com ditadores deste calibre.
Agora que estamos em campanha eleitoral para as eleições presidenciais americanas, seria bom que a senhora Clinton dissesse qual será a sua posição política, como possível próxima presidente dos EUA, se a Arábia Saudita continuar a tratar as mulheres como cidadãs de segunda, na absoluta dependência dos apetites dos homens.

Gabriel Vilas Boas 

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

OS PRESERVATIVOS ESCOLARES DO PS




A Educação em Portugal deve estar lindamente! A grande preocupação do Partido Socialista para o setor da Educação, neste momento, é a distribuição gratuita de preservativos aos alunos do ensino secundário, conjugada com a efetiva implementação dos gabinetes de informação, relativos à educação sexual.
Há problemas no 1.º ciclo? Há turmas mistas por todo o lado, apesar de serem pedagogicamente desaconselháveis? A Educação Especial vive na ilegalidade e os alunos com necessidades educativas especiais estão longe de ter o apoio devido? As faculdades e os institutos politécnicos sobrevivem com um financiamento deficitário? Isso não interessa nada! Um dia resolve-se por si; o que interessa é distribuir preservativos pelos alunos com mais de 15 anos, porque esta é a maneira mais eficaz de resolver o problema da Educação Sexual.

Santo Deus, esta gente não se olha ao espelho? Não tem noção do ridículo? Acha que os cidadãos em geral, e as pessoas diretamente envolvidas no setor da Educação não percebem quanto isto revela impreparação técnica, insensatez política, falta de ideias, meios e coragem para atacar, pelo menos um, dos problemas prioritários?
Claro que falar de preservativos garante fogo-de-artifício mediático, entretém o público, descentra a discussão política do essencial que há para fazer em Educação, que é muito.
Isto que não quer dizer que a Educação Sexual não seja uma matéria importante, onde ainda há muito por fazer, mas para tal o Ministério tem um problema ético/moral para resolver primeiro: até onde pode ir a Educação Sexual e a partir de que idade? Convém não iludir a questão da mentalidade: uma grande parte dos pais e encarregados de educação não estão disponíveis para que a Escola vá além do livro de Ciências ou da visão moral do pensamento católico. Também é por causa disto que a Educação Sexual não avança nas escolas portuguesas.

O grupo parlamentar do PS diz que a Educação Sexual comporta uma “dimensão afetiva, sentimental, pessoal e social que o professor devia estar habilitado a abordar”. Mas de que professor estamos a falar? Do professor de Ciências? Do professor de moral? O PS sabe bem que os profissionais que melhor poderiam desempenhar este papel seriam os psicólogos, mas foge à questão, porque isso custa um bom dinheiro. Há anos que esta classe profissional faz imensa falta na escola pública portuguesa, sendo só chamada para preencher relatórios atrás de relatórios, já que cada psicólogo tem a seu cargo dois mil, três mil alunos.
Se o PS quer fazer alguma coisa pela Educação Sexual, guarde o dinheiro que quer investir em preservativos, junte-lhe alguns milhões e recomende ao governo que quadruplique o número de psicólogos nas escolas. Se pelo menos um ficasse com o gabinete de apoio/informação à Educação Sexual dos alunos era um grande avanço.

Gabriel Vilas Boas

domingo, 25 de setembro de 2016

WHITE LIES


Quando apresentou a sua música à plateia, Rita Redshoes definiu White Lies como “aquelas mentirinhas aparentemente sem importância, que vão corroendo lentamente uma relação”. Fez-se silêncio na sala e cada um absorveu aquele pequeno soco como pôde até que os acordes da música e a voz de Rita preencheram o silêncio constrangedor.
Ontem, quando ocasionalmente voltei a ouvir o tema não pude deixar de pensar quanto nefastas podem ser essas white lies, a partir do momento em que se descobre essas mentirinhas do outro. Instala-se o vírus da dúvida, destruindo o que de mais importante tem uma relação: a confiança.
Há várias razões para um e outro ceder a uma patranha de ocasião: não mostrar as suas fraquezas, encontrar pequenas desculpas para falhar compromissos, receio do que o outro possa fazer com tanta transparência… Mais do que uma estratégia é uma defesa que cada um arranja para não mostrar o seu lado menos bonito.

No entanto, quando as relações avançam e procuram consolidar-se, ou as white lies acabam ou elas acabam com as relações. Não há muita volta a dar! Uma white lie é facilmente reconhecível e cai ao primeiro ou segundo teste de stresse.
Bem pior que uma “mentirinha desnecessária” é a desconfiança, a mágoa e a tristeza que se instala. Baixa a consideração e aumenta a exigência. Quando nos damos conta da devastação causada e da trabalheira que dará remendar tantos estragos, vamos concluir que seria melhor ter confessado que estávamos zangados e não com dor de cabeça ou trabalho atrasado; que nos apeteceu ficar nos copos com os amigos e não ficámos a cumprir horas extras no emprego; que nos deu uma súbita vontade de ver lojas de roupa e sapatarias em vez de irmos ao supermercado.
Dizer “não” a uma white lie pode custar um pouco, mas é um esforço ao alcance de todos; remendar uma darktrue pode ficar rapidamente fora do nosso controlo.

Gabriel Vilas Boas


sábado, 24 de setembro de 2016

SE O ALUNO É ESPECIAL, NÃO PODE SER TRATADO COMO UM CASO NORMAL


Não sã os professores que “inventam” alunos com Necessidades Educativas Especiais, pois a avaliação depende também de um relatório do psicólogo e de outro de um pedopsiquiatra; não são os encarregados de educação que procuram este estatuto para os seus educandos, pois sabem bem quanto estigma transporta, mas é o Ministério da Educação que viola as suas próprias regras, ao colocar mais de dois alunos com NEE, por turma de vinte alunos (pegando, no meu caso particular: sou DT de uma turma com cinco alunos com NEE e só ao fim de três anos atingimos os vinte alunos por turma. O número foi sempre maior!), ou então coloca um aluno com NEE em turmas de 25/26 alunos.

Os alunos com NEE representam mais de 7% da população escolar. Precisam de um acompanhamento sistemático, de grande amplitude e exigente coordenação. Precisam de professores, técnicos, terapeutas, psicólogos, pedopsiquiatras, auxiliares de ação educativa. Não precisam que os enjaulem numa sala sem condições e os ponham a ver televisão, a fazer sempre os mesmo jogos infantis, a terem passagens administrativas até ao fim da escolaridade obrigatória para calar a revolta dos pais.
Claro que os alunos com NEE custam mais dinheiro que os outros. No entanto, ao contrário do dinheiro gasto com bancos falidos, é um dinheiro muito bem gasto, pois cada criança com NEE, alvo de uma educação especial correta, será um cidadão mais completo, confiante e capaz. E é nisso que a sociedade deve gastar o seu dinheiro.

Não é apenas o Ministério da Educação que tem de abrir os cordões à bolsa e investir planeadamente em recursos humanos (sobretudo) e materiais para estas crianças. Alguns diretores escolares (sobretudo ao nível do ensino secundário) tem de abrir a mente e as suas escolas a estes alunos. Conheço escolas secundárias que sempre desprezaram este tipo de alunos, procurando encaminhá-los para a Cerci mais próxima, para as escolas profissionais ou inseri-los rapidamente no mundo do trabalho. Conheço professores Educação Especial que têm tanto receio que os seus alunos de 14/15 anos sejam “abandonados” na escola secundária da sua cidade ou vila, que sugerem que eles não transitem de ano para poder continuar a trabalhar com eles, dando-lhes progressivamente as ferramentas necessárias para transitarem para a vida ativa minimamente preparados.
Os alunos com necessidades educativas especiais não são uns coitadinhos nem precisam de caridadezinha educativa. Precisam que se cumpra a lei e lhes seja dado aquilo a que têm direito. Quem não for capaz disso, não serve para exercer o cargo para que foi eleito ou escolhido, seja ele ministro, diretor ou coordenador.

Gabriel Vilas Boas

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

AS TURMAS MISTAS JÁ DEVIAM TER ACABADO

O que aprende um aluno do 1.º ano na mesma sala com outro do 2.º ano, ouvindo o mesmo professor que ora fala para ele, ora fala para o colega assuntos diversos, que por vezes parecem os mesmos, outras vezes são bem diferentes? 
Como manter a atenção e a concentração de crianças de tão tenra idade, quando temos de as deixar abandonadas a um canto, sem nenhum apoio, para ensinar outras, sobre outro assunto?
As turmas mistas (coexistência de alunos de vários níveis de ensino na mesma sala, com o mesmo professor) é um problema absurdo da Educação em Portugal. É um problema que só atinge aluno pobre, em terras longe dos grandes centros, onde a desertificação social impera.
A construção dos centros escolares pressupunha que este problema deixasse de existir, pois acreditava-se que seria possível formar, pelo menos, uma turma por ano escolar, em cada concelho. Com acontece com quase todos os problemas, ficaram alguns casos pontuais por resolver. E o que se faz com caos pontuais/excecionais? Dá-se respostas excecionais e adequadas. 
É preciso um professor para cinco alunos e outro para três? Coloca-se o professor e ponto final. Há tanto professor com horário-zero, há tanto professor no desemprego, há tanto investimento feito em recursos tecnológicos nas escolas, tanta obra sumptuária feita pela Parque Escolar, e está o Ministério da Educação a regatear meia dúzia de professores colocadas em escolas isoladas do interior do país? É preciso ter a noção do ridículo e da maldade que se faz a estas crianças, porque é de maldade que se trata quando se lhes fornece uma educação deficitária, pelas circunstâncias em que ocorre.
Estas crianças e estes pais não pedem ao Ministério da Educação nada de mais, nada a que não tenham direito.
E o Ministério que não lhes envie um professor de apoio, uma solução de remedeio palerma, mas outro professor. O custo é semelhante, mas a dignidade e o respeito são bem diferentes.

Gabriel Vilas Boas 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

O MEU CARRO DÁ MAIS JEITO


Um estudo europeu recentemente revelado refere que os portugueses, como a generalidade dos europeus, preferem o uso do carro próprio em detrimento dos transportes públicos, para se deslocarem para os seus afazeres pessoais e profissionais. E esta preferência é esmagadora. Cerca de 70% prefere o carro e ponto final. Só 7,8% refere os transportes públicos como meio de transporte prioritário.
Perante estes dados, percebe-se melhor porque afundam economicamente as empresas de transportes públicos e são pouco viáveis em termos económicos. Metro, comboio, autocarros, elétrico, barcos… mas a maioria prefere o carro.

Muitos dirão que os horários são desfasados das necessidades, que a oferta é pouca em determinadas regiões, mas acho que o problema é essencialmente de mentalidade. Durante anos habituámo-nos a usar o carro porque não tínhamos alternativa e também porque nos dava mais jeito. Entretanto foram criadas alternativas ao nível do transporte público, mas o hábito e o comodismo estavam criados. Podem subir as portagens, pode subir o preço dos combustíveis e o estacionamento nas cidades atingir preços elevados que continuamos a preferir levar o carro, preferencialmente até à porta do café, da loja ou do local de emprego.
Há muito tempo que a maioria já não faz conta ao custo/benefício entre o uso do transporte público o transporte pessoal. O carro permite sempre pequenos desvios, uma ida ao supermercado, um percurso alternativo, um regresso tardio… O carro permite-nos ser desorganizados e chegar a horas!

O problema é que esta mentalidade que nasceu e cresceu de uma necessidade está a destruir todos os investimentos feitos em transportes públicos, continua a poluir o ambiente e torna-nos muito mais sedentários do que aquilo que deveríamos ser. Os poucos metros que teríamos de fazer até à paragem do autocarro ou estação do metro/comboio eram um ótimo exercício físico que deixamos de fazer. Fazia bem ao corpo e ao espírito que precisa de descomprimir das tensões e preocupações diárias do trabalho.
Usar o carro nem sempre é uma necessidade imperiosa. Muitas vezes é apenas um pequeno vício a que já não somos capazes de resistir.

Gabriel Vilas Boas

terça-feira, 20 de setembro de 2016

O TEMPLO DE OURO, em Quioto

A antiga Heian, hoje Quioto, foi a residência da corte real nipónica durante onze séculos (794 a 1868). Foi aí que, por volta do ano 1000, Murasaki Shikibu, dama de honor da corte, escreveu uma das mais belas obras da literatura japonesa e mundial – Ditos de Genji.
Trata-se de uma crónica da vida da corte, célebre pela fina psicologia dos retratos, que tornaram Shikibu a primeira romancista da história.

Quioto foi um local com uma vida refinada e fulgor artístico, mesmo durante os anos de instabilidade política.
 O Pavilhão do Ouro, construído no final do século XIV (1397), pelo xógun (uma espécie de primeiro-ministro e líder militar) Ashikaga Yoshimitsu comprova-o.


Após a morte do xógun, o pavilhão foi transformado em templo budista. Este templo, com mais de seis séculos de existência, possui uma enorme beleza arquitectónica, que acabou por ser reconhecida pela Unesco ao torná-lo património da humanidade.
Este belíssimo edifício foi construído segundo o estilo shoin com tatamis, paredes e divisórias móveis que foram reproduzidas em vários edifícios.
O Pavilhão (templo) do Ouro é composto por três andares de diferentes estilos, mas que se articulam magnificamente, formando um todo harmonioso.
O andar térreo tem uma estrutura em madeira e gesso, contrastando com os andares superiores. O segundo andar exibe uma fachada em estilo Bukke, típica dos castelos samurais e o terceiro andar inspira-se no salão chinês. No topo do templo é possível observar uma fénix em ouro.
Infelizmente, os visitantes não podem visitar o templo, mas podem-no observar com toda a minúcia e atenção do exterior e vislumbrar, através da varanda do primeiro andar, as estátuas budistas que existem no seu interior.

A fineza e subtileza da arte japonesa influenciaram bastante o mundo ocidental, especialmente no final do século XIX, com o surgimento da Arte Nova e depois da Art Déco, cuja estética se inspira na peculiar maneira de observar a arte pelos nipónicos. 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

CARTAS DE GUERRA


“Amo-te tudo, meu amor!”

Cartas de Guerra de Ivo Ferreira é realmente um filme fabuloso e extraordinário, que nos fará gostar muito mais de António Lobo Antunes, mesmo sem o ter lido muito, mesmo que nem sempre gostemos da sua repetitiva temática.
É antes de mais um filme sobre a guerra colonial portuguesa vista a partir do íntimo de um jovem médico-soldado (António), que se desnuda através de belíssimas e apaixonadas cartas poéticas que escreve à jovem esposa.

O filme é importante porque enfoca a final da guerra colonial portuguesa em Angola da perspetiva certa e é apaixonante, porque as cartas que Lobo Antunes escreveu à mulher e que servem de narrativa à película de Ivo Ferreira mostram um Amor tão puro, tão sincero e arrebatador que sensibiliza e comove qualquer espectador.
Nada no filme é feito ao acaso. Cada situação, cada pormenor (e como eles são cuidados!) são emblemáticos e referem-se a aspetos importantes que muitos soldados sentiram durante os longos meses que passaram nas matas africanas.
Sobre a guerra colonial, o filme reforça o pensamento de Lobo Antunes: tratava-se de um conflito absurdo (os soldados portugueses davam-se bem com os negros e ganhavam facilmente afeição a velhos e crianças); o quanto custava aos nossos soldados o afastamento das famílias, sob todas as perspetivas, embora o lado afetivo e sexual seja o mais vincado; a noção que o tempo passava exasperadamente devagar, dado por uma narrativa lenta; a certeza que a guerra transforma todos sem exceção (“Uma coisa tenho como certa: saírem daqui uma pessoa completamente diferente daquela que cheguei!”); as dúvidas sobre a manutenção do amor das esposas, já que o tempo de tropa era longo.

Sobre a perspetiva técnica, Ivo Ferreira recria na perfeição a atmosfera do início dos anos setenta: o preto e branco lembra o tempo em que não havia televisão a cores; os relatos de futebol do Benfica, o discurso de Marcelo Caetano, as músicas que lembravam a saudade de casa, os jogos de cartas nas casernas para matar os tempos mortos, as ciladas na mata, a fabulosa beleza de África, filmada do céu, invadindo a nossa alma.

E por cima disso tudo, o poderoso amor que brotava da prosa poética das cartas do protagonista para a sua amada.
Só por isso vale a pena ir ver o filme, mas o resto também é soberbo.

Gabriel Vilas Boas

domingo, 18 de setembro de 2016

E SE O MIÚDO QUE FOSTE ESTIVESSE A OLHAR PARA O GRAÚDO EM QUE TE TORNASTE?


Que estaria ele a sentir? Desilusão? Raiva? Vergonha? Ou então, respeito? Orgulho? Compreensão?
Não falo dos sonhos nem das circunstâncias que um adolescente não avalia, mas daquilo que dependeu de ti e só de ti. Como te sentirias se tivesses de o enfrentar? Como lhe explicarias os falhanços que só dependeram de ti, as cobardias, as oportunidades perdidas?

Se o sentisses na plateia do filme que realizas e protagonizas, ganharias finalmente vergonha ou coragem ou arranjarias mais uma desculpa? Representarias melhor ou viverias melhor?

É verdade que o puto era utópico e vivia num mundo fácil, onde as contrariedades eram só palavras. É certo que tentaste, que fizeste algo de importante e venceste algumas batalhas, mas estás tranquilo com a forma como as conseguiste?
Não é possível escrever uma história perfeita nem viver a vida fabulosa, própria dos sonhos, mas é possível contar uma história digna, de superação, de várias vitórias e algumas derrotas, onde em cada virar de página te mantiveste íntegro, corajoso, apaixonado, determinado. 
Talvez tenhas desembarcado numa ilha desconhecida e nunca sonhada, talvez sejas apenas personagem figurante de uma história maior, mas podes ficar sempre com o orgulho de ser protagonista da tua própria história.

Ou então, não olhas o puto nos olhos, gaguejas, desdobraste-te em desculpas esfarrapadas que até uma criança topa e segues alegremente essa rota enganada. 
O puto que foste nunca mais te incomodará, é certo. 
Daqui a trinta ou quarenta anos apenas te cruzarás com o avô dele. Dar-te-á os parabéns ou dirá que foste um grande burro, mas não haverá segunda oportunidade.

Gabriel Vilas Boas

sábado, 17 de setembro de 2016

SEM FUNCIONÁRIOS A ESCOLA NÃO FUNCIONA



O ano escolar começou aparentemente na maior das normalidades. Os professores foram colocados a tempo e horas (coisa muito difícil), não há grandes registos de obras por concluir nas escolas, até porque as do parque escolar ainda estão por pagar (e as construtoras não estão para se meter em mais assados), mas faltam muitos funcionários nas escolas públicas portuguesas. E sem eles as escolas não funcionam ou pelo menos não funcionam com a segurança que deviam ter.
Os funcionários são uma espécie de parente pobre das escolas portuguesas. Recebem salários baixos, são em número claramente inferior ao recomendado, raramente vêem as suas reivindicações atendidas por mais justas que sejam, não vêem o seu trabalho reconhecido pela comunidade educativa e pelos pais, têm péssima imprensa, pois não há televisão, jornal ou rádio que dê palco mediático aos seus problemas.

Cresce a indisciplina na escola e os casos de violência e todos se lembram quanto sofrem os professores, pois estes fazem questão de o lembrar à sociedade, mas ninguém procura saber quanto sofre um assistente operacional, que todos os dias tem de controlar o bom e o mau humor de uma juventude inquieta e, por vezes, malcriada.
            Não chegam a três mil os funcionários das escolas públicas portuguesas que asseguram o ensino obrigatório. O número é manifestamente inferior às necessidades, mas a resposta do Ministério da Educação parece ir pelo mesmo caminho da do anterior: contratar gente sem qualificação para o cargo, recrutando tarefeiros nos centros de emprego, por um período de 9/10 meses. Não interessa ao Ministério da Educação apostar em gente qualificado para tomar conta das nossas crianças e jovens? Acham que serve qualquer tipo de pessoa ou personalidade? Não serve!

Como não serve anunciar prorrogação de contratos à pressa no final de Agosto de modo a evitar o caos no início do ano letivo. Não serve prometer umas tarefeiras “lá para o final de Setembro” para fazer trabalho essencial que tem de ser assegurando com muito sacrifício por aqueles que já são do quadro.
O trabalho dos funcionários da escola é tão digno e importante como o dos professores. Dignificar a Escola Pública é dignificar o trabalho de todos o que nela trabalham, sem exceções.

Gabriel Vilas Boas.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

MERKEL DESCOBRIU QUE A ALEMANHA PRECISA DA EUROPA


Durante anos vários líderes europeus andaram a pedinchar à senhora Merkel maior flexibilidade da Alemanha face ao tratado orçamental da UE, suplicaram através de lindas metáforas maior envolvimento alemão nas questões do emprego, nas políticas sociais, na consideração pelas especificidades de cada economia e Merkel assobiava olimpicamente para o lado e mandava dizer que regras são regras e todos tinham de as cumprir.
Entretanto as circunstâncias mudaram radicalmente e Merkel tem o discurso que outros tiveram durante anos sem nunca obterem resposta.

A Inglaterra vai sair da União, o clima de guerra aberta económica entre a Alemanha e os EUA vai custar muito milhões de euros a cada uma das economias através de coimas que vão ser aplicadas à VW e à Apple, Merkel perde assustadoramente popularidade entre os alemães e pode ser apeada do poder a breve trecho; a crise dos migrantes sírios está por resolver e vai agudizar-se no inverno. A isto acresce que a França do senhor Hollande é mais problema do que solução, pois o aumento da sua dívida é um péssimo exemplo para apresentar aos malandros do sul da Europa e a Inglaterra está fora do barco. Resta a Alemanha para puxar sozinha um navio atolado em descrença, dívidas e incoerência.

Por isto tudo e porque finalmente sente o cargo de chanceler em perigo Merkel diz o que todos andam a dizer há muito: “A União Europeia está numa situação crítica!” E para abreviar caminho a chanceler diz especificamente quais são as prioridades: segurança, crescimento económico, mercado laboral, expectativas dos mais jovens dentro do mercado europeu.
Merkel está apertada e quer passar a discutir o essencial. No entanto, Merkel não quer salvar Europa nenhuma, antes quer salvar a Alemanha de uma crise social e económica que está ao pé da porta e salvar-se a ela própria enquanto líder do governo. Se não tiverem um plano de negociação bem definido, os restantes líderes europeus vão deixar que Merkel ponha e disponha a seu belo prazer, perdendo-se assim uma excelente oportunidade de reformular o modelo económico em que assenta a atual União Europeia.

Merkel nunca foi de grandes rasgos, nem para Alemanha nem para a Europa. Nos restantes países dominam os tecnocratas ou gente sem escrúpulos ou gente sem legitimidade ou gente sem carisma. Pode ser que todos juntos consigam parir uma ideia brilhante e humanista sobre os novos e delicados passos que a UE tem de dar. A probabilidade é pequena, mas pode acontecer.

Gabriel Vilas Boas   

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

IT IS NOT SEXY

O que nos faz atraentes? As respostas mais óbvias e esperadas apontam a beleza física como aquilo que mais atrai o sexo oposto, no entanto um estudo recente faz notar como certos comportamentos podem dar cabo da nossa imagem. E nem é preciso ser especialmente malcriado.
Um homem que não revele sentido de humor está desgraçado, pois esta é uma das características mais apreciadas pelas mulheres. Saber contar uma boa piada, saber desanuviar o ambiente com um dito espirituoso ou mesmo ter capacidade de se rir das suas próprias gaffes são comportamentos muito mais atrativos do que a maioria dos homens pensa.
Para as mulheres também é muito importante o homem ter uma boa conversa. Saber contar histórias, saber ouvir, ser capaz de tornar um jantar ou um serão agradáveis apenas usando o dom da palavra é altamente apreciado pelo sector feminino. Já os homens gostam de rostos agradáveis e bonitos. No entanto, procuram bem mais do que traços perfeitos, eles deixam-se encantar por uma fisionomia que transmita doçura e bondade.

Cabelo despenteado, olheiras e um ar pesado até pode ser iconográfico para algumas revistas da moda, mas não costuma resultar no contacto pessoal. Pelo menos esta é a opinião de muitos homens que responderam a um inquérito sobre aquilo que os atrai e afasta no sexo feminino. Os homens defendem que este tipo de apresentação feminina lhes dá um ar desleixado e triste.
Mulher stressada é mulher pouco atraente. Os homens querem lá saber das razões de tanto stresse. Muito trabalho? Muita responsabilidade em cima dos ombros, que até podia ser partilhada? Paciência. O stresse no feminino não é sexy e ponto final.

Se há comportamento muito pouco atraente é o egocentrismo. Falar apenas, de si, mostrar somente preocupação consigo e com os seus problemas é dos comportamentos mais negativos que se pode ter quando se quer atrair alguém do sexo oposto. E nisto não há diferenças de opinião entre homens e mulheres.
O último dos pecados a evitar para quem quer atrair o sexo oposto é ter uma falsa aparência de felicidade. Estar sempre a sorrir, aparentar uma felicidade que notoriamente não se tem não só não atrai como até irrita, além de dar uma ideia de certa futilidade.
São sete os “pecados mortais” que não pode cometer se quer fisgar a sua alma gémea. E não precisa de cometer os sete para ficar fora de combate.

Gavb

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

ARRENDO, MAS NÃO PASSO FATURA

 A entrada de um filho na Universidade comporta quase sempre para a família do estudante deslocado um investimento mensal nunca inferior a 700/800 euros. É um valor altíssimo, que muitas famílias suportam com muitos sacrifícios, em prole da concretização do grande objetivo dos filhos, que ainda é para muitos obter uma licenciatura/mestrado.
Grande parte da fatura mensal consome-se no arrendamento de um quatro ou pequeno apartamento, onde o jovem estudante universitário passa a residir. Apesar da oferta ter aumentado, ainda há escassez de quartos disponíveis e os valores pedidos a cada estudante são normalmente superiores a duzentos euros, quando não atingem 300/350 euros. Muitos pais são confrontados com aposentos minúsculos, com poucas condições e com a determinação dos senhorios em não passar fatura. Estes senhorios clandestinos abusam da sua posição dominante no negócio da renda de quartos a estudantes universitários, para imporem a sua iníqua lei.

O Estado, através da máquina fiscal, tem optado por abordar a questão sob a pespetiva mais fácil e conveniente: fiscalizar os senhorios para punir aqueles que não passam recibo e fogem aos impostos. Sem embargo de considerar esta abordagem também necessário, eu penso que o Estado (administração central e local) devia centrar a sua atenção noutra perspectiva: promover o mercado imobiliário vocacionado para os jovens estudantes universitários. Como? As Câmaras Municipais isentando de taxas todos aqueles que  construíssem apartamentos para arrendamento a jovens universitários e se comprometessem com um regime de rendas baixas, cujos valores fossem negociados e conhecidos por todos à partida.
A troco do compromisso de rendas controlas e definidas, a administração central podia cobrar um imposto muito reduzido sobre o rendimento dessas rendas. 
Outra ideia seria incentivar as entidades bancárias a colocar no mercado de arrendamento universitário muitos dos apartamentos na sua posse, por via da falta de pagamento dos antigos proprietários, sempre com o pressuposto das rendas acessíveis.
Se os alunos que entram para a Universidade tivessem quartos disponíveis a 100 euros e apartamentos de tipologia T2/T3 entre os 250 e os 300 euros, o Estado daria uma grande ajuda a muitas famílias de jovens universitários.   

Mais importante que perseguir senhorios incumpridores era importante ajudar jovens adultos e as suas famílias a garantir alojamento a preços justos.
gavb

terça-feira, 13 de setembro de 2016

TANTO PROFESSOR DOENTINHO, MAS VAI MELHORAR RÁPIDO

A mobilidade por doença dos professores do quadro é uma espécie de tema tabu entre a classe docente. No entanto, ano após ano, o número de professores que usam este exceção à lei geral dos concursos para leccionar perto da residência é cada vez maior, atingindo números altamente admiráveis para usar um eufemismo e ser simpático.
O Correio da Manhã escrevia hoje, em manchete, que há suspeitas de irregularidades, pois muitos dos atestados que sustentam os pedidos dos professores não conteriam informação verdadeira. É possível, até provável, mas não absolutamente certo. Todavia é muito difícil aceitar que mais de 4000 professores estejam tão doentes ou tenham a seu cargo familiares doentes que dependam de si, que só perto de casa podem exercer cabalmente a profissão.
Se estão doentes, não é por leccionar perto de casa que melhoram! Isto é do senso comum. Se têm familiares doentes que precisam da sua assistência, essa assistência incondicional também se vai colocar enquanto cumprem um horário perto de casa.

Quem está dentro da engrenagem escolar conhece bem os fios desta teia. Muitos professores não conseguem aproximar das suas residências há anos; os problemas familiares, económicos e de saúde avolumam-se sem solução à vista; alguns (cada vez mais) tentam “convencer” um médico amigo da impossibilidade de trabalhar longe de casa; a lei abre esta janela de oportunidade, por onde cada vez mais docentes tentam entrar.  

A mobilidade por doença foi uma exceção à lei, criada com a melhor das intenções para atender a casos especialíssimos e é verdade que os há, mas são poucos. Quando alguns professores pedem a um médico que lhe passe um atestado que sustente esta mobilidade, sem causa efetiva, está a pedir que um médico minta, que patrocine um fraude, além de prejudicar muitos colegas que não têm estômago para concretizar um processo de mobilidade deste calibre e por isso ficam longe de casa, à espera de uma oportunidade de aproximação que nunca mais surge.
Além do mais, estes professores doentinhos que rapidamente melhoram com os ares de casa começam a trabalhar numa escola ou agrupamento que pode nem precisar deles, o que cria situações constrangedoras para directores e outros docentes, que são confrontados com a presença de colegas pouco necessários naquela escola.

O Ministério da Educação lava daqui as mãos como Pilatos. Ou discute a “verdade” de todos os atestados, ou não discute de nenhum. Normalmente opta para não levantar ondas, se os professores prejudicados não o fizerem. Tanto lhe faz pagar ao António como ao Joaquim, como tanto lhe faz que a Maria esteja em Bragança como em Sintra.
Quanto aos professores injustiçados com esta habilidade legal, reclamam em surdina, apontam casos concretos suspeitos mas têm poucos meios de provar a fraude. Ficam como o juiz Carlos Alexandre, com a convicção que foram ludibriados e enganados. E é essa a convicção que passa para a opinião pública, o que também não ajuda nada a reabilitar a imagem geral da classe docente.
O melhor era ninguém continuar a fazer de conta e criar-se um sistema de aproximação gradual dos professores à sua residência, onde os professores vissem repercutida alguma justiça. Entrada nos quadros ao final de cinco anos, aproximação gradual à residência, com base num critério mais transparente e verdadeiro, como por exemplo a existência de filhos menores.
Gabriel Vilas Boas

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

O MENINO FALTA, O PAI PAGA MULTA?


Uma recente notícia do periódico espanhol El Mundo conta que os pais de uma menina espanhola vão ter de pagar uma multa de 1440 euros pela falta de assiduidade recorrente da sua filha entre 2007 e 2014. 
O tribunal de Palma de Maiorca considerou que aqueles “pais” incorreram em dois crimes: desobediência (tinha sido alertados pela escola para a falta de assiduidade da sua filha e nada fizeram para reverter a situação, apesar de estarem obrigados a mandar a menina à escola) e abandono (a criança ficou abandonada à sua sorte, fazendo o que muito bem lhe apeteceu sem ter maturidade para tal).
Quem lida constantemente com alunos poucos assíduos e encarregados de educação que se demitem da sua função, já pensou muitas vezes, em desespero, nesta medida. 

Como exemplo, como sinal das autoridades judiciárias ao pouco caso que muitos pais fazem dos seus filhos, parece-me uma medida bem aplicada, mas não replicável muitas vezes.
A maioria destes pais não quer saber dos filhos, não reconhece importância à Escola e costuma desafiar a Justiça. Por norma, os seus rendimentos não vêm do trabalho, mas de ajudas de familiares, de amigos ou do Estado. Vivem em casas camarárias e aquilo que os filhos comem, calçam ou vestem provém da caridade pública ou do apoio social do Estado. Como esse apoio está cotado por parâmetros de sobrevivência, não é possível retirar-lhe qualquer fatia relevante para pagar uma multa deste calibre.

Apesar de não se conseguir cobrar a multa, a medida faz sentido e tem eficácia, pois funciona como efeito dissuasor para outros pais/encarregados de educação negligentes., já que estes pais têm receio que o subsidiozinho que recebem fique em perigo.
Saber que o Estado está atento e pode atuar sobre o seu pobre pecúlio talvez produza mais efeito do que dezenas de discursos do Diretor da Escola ou da Assistente Social.
 A educação dos filhos continuará a não lhes interessar nada, a não ser que o seu maço de cigarros fique em perigo ou não haja dinheiro para uns copos na taberna.
Gabriel Vilas Boas