Etiquetas

terça-feira, 31 de maio de 2016

MUSEU NACIONAL DE ARTE ROMANA - MÉRIDA, de Rafael Moneo


Dez antes de receber o Prémio Pritzker, o arquiteto espanhol Rafael Moneo inaugurava a extraordinária peça arquitetónica que é o MUSEU NACIONAL DE ARTE ROMANA, em Mérida, provavelmente a cidade do Império Romana melhor preservada da europa ocidental.
Quando foi convidado pelo governo espanhol para projetar este museu, Rafael Moneo era um arquiteto renomado pela fama que obras como o edifício Bankinter, em Madrid, lhe deram. A ideia era substituir o museu existente em Mérida e que datava de 1938.


Moneo projetou um edifício elegante, que procurava combinar modernidade e história, numa simbiose perfeita. O elemento fundamental da estrutura museológica criada por Rafael Moneo são os arcos. 
Os arcos são um elemento fundamental do império romano. Constantino e Tito construíram-nos para comemorar as suas vitórias militares e Moneo trá-los para a entrada do seu MUSEU NACIONAL DE ARTE ROMANA, para lembrar toda a grandiosidade e triunfalismo dos Romanos.


O Museu situa-se numa elevação, mesmo em frente ao imperial teatro romano de Mérida. 
Os vários espaços do Museu estão articulados por uma série de arcos crescentes de tijolos, transmitindo ao visitante uma sensação de modernidade surpreendente. 
Depois de entrarmos no Museu, um corredor central de arcos propõe-nos uma primeira escolha: subimos aos andares superiores para vermos a parte das exposições ou descemos à “cripta”, enterrada no solo, para apreciar a vertente arqueológica do projeto de Moneo. 
Por entre os arcos, a luz natural, quente e silenciosa de Mérida relaxa o visitante e guia-o na sua primeira opção.

Comecemos pela cripta, situada abaixo do nível do solo. Ela mergulha o visitante numa espécie de evocação da era romana intocada, como se descêssemos à “cidade velha” onde a arqueologia se exibe em simultâneo com a sua réplica arquitetónica.
Regressamos aos andares superiores e vamos apreciando as aveludas paredes. 
Paredes, colunas e arcos são feitos do mesmo material, mas a aparência está longe de ser monótona. Moneo criou belíssimos “retalhos de ouro” em pequenos nichos incendiados de um vermelho fogoso dado pela sobrecarga de uma iluminação dramática. É no controlo cuidado da luz que Moneo deixa a sua marca indelével no melhor Museu de Arte Romana da península ibérica. 
A luz contraste com a placidez fantasmagórica das antiguidades em exposição.


Nas paredes destaca-se ainda a textura dos seus elementos verticais. Neles Moneo articula perfeitamente História e modernidade através de “empréstimos” de elementos históricos, contemporizando-os.
Os arcos-triplos unidos aludem à alvenaria do teatro romano mesmo ali em frente ao edifício do Museu, envolvendo a totalidade do espaço arqueológico num diálogo contínuo que os arquitetos sempre gostam de criar. Os tijolos têm precisão rítmica e são bem dimensionados, como que evocando uma sensação de requinte tão próprio dos projetos deste arquiteto espanhol.
No entanto, há algo de atemporal que paira sobra a simplicidade das estruturas: as formas e os materiais não pertencem nem ao presente nem à História. Isso permite que o projeto de Moneo se afirme como algo acima do tempo, como convém a qualquer museu arqueológico moderno.
Esta interação entre novo e antigo existe até ao nível mais conceptual do museu. Por exemplo, no Museu-cripta, a escavação da antiga cidade está ritmicamente pontuada por uma grade-coluna que suporta as estruturas superiores, evidenciando duas condições históricas diferentes. 
Perto dali, uma estrada romana completa segue o seu caminho pelo meio do museu (qual leito de um rio) rompendo com a ortogonalidade do projeto-Moneo.
A construção de um túnel subterrâneo envolve os visitantes, conduzindo-os diretamente ao teatro romano, fazendo-os sentir-se nos grandiosos tempo de Emerita Augusta. 
É claro que a inserção destes elementos, por parte do premiado arquiteto castelhano, só é possível dadas as condições únicas do local.
Como alguém escreveu, O Museu de Moneo em Mérida é “auto consciente do seu propósito” – exposição do passado antigo da cidade. Nele, a arquitetura procura “apenas” dramatizar as realizações da cultura romana. Moneo consegue isso através de uma magistral combinação de história e modernidade, onde a luz criada dentro do Museu pelo arquiteto parece transportar-nos aos gloriosos tempos do Império Romano.
Gabriel Vilas Boas  

segunda-feira, 30 de maio de 2016

DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS, de Jorge Amado

Dona Flor e Seus Dois Maridos é um dos melhores romances de Jorge Amado e de toda a literatura brasileira. Nele Jorge Amado relata as aventuras de Dona Flor e seus dois maridos, Vadinho e Teodoro. O romance está dividido em cinco partes. A primeira e a segunda partes tratam da morte de Vadinho em pleno Carnaval baiano e do seu velório, onde as amigas, mais ou menos chegadas, de dona Flor trataram de pôr a nu o passado e o presente salafrário, libertino, jogador, gozador, malandro, e amante da farra, de Vadinho. Ao lado desta fama negativa, nasceu a boa recordação das histórias de um homem companheiro e tremendamente safado, memorizada em pequenas histórias ilustrativas do seu carácter e do amor que o unia à esposa. Em todas essas histórias ressalta a alegria, a ternura, a malandragem, o vício pelo jogo e pelas mulheres bonitas.
           

Em paralelo surge uma plêiade de personagens secundárias, mas relevantes para a definição de certos aspetos da vida baiana: os hábitos e ambições duma pequena burguesia mais assemelhada com o povo. Nessas personagens características e pitorescas nota-se o contrate cómico e ridículo entre a aparência e a essência tão próprias dos brasileiros. Esse contrate está presente na luta entre a defesa da moral e dos bons costumes que convive com a «sem vergonhice» das traições de mulheres e homens, do império do desejo, do vício do jogo, do desejo de riqueza.
  

Nestas personagens, na sua maneira de ser e de agir ou falar, está representado o viver da Baía, mas sobretudo do brasileiro (porque não do Homem?) que o autor pretende mostrar alegre, brincalhão, exagerado, safado, algo irresponsável, por vezes libertino, um pouco hipócrita, mas sempre cheio de ternura, sempre amigo, sempre amigo, sempre apaixonado.

Desde logo, há que realçar como traço primordial do romance e da protagonista a escola de culinária “Sabor e Arte”, que serve para vincar a excelente cozinheira que dona Flor era e o prazer que os seus pratos únicos repercutiam no paladar de cada um que teve o prazer de os provar. Este motivo da escola de culinária sancionou as receitas tipicamente baianas de dona Flor, deixadas no início de cada parte do romance, funcionando tal estratagema como uma espécie de homenagem à excelente comida da Baia.

A terceira parte fala da viuvez de dona Flor. Como foi difícil esquecer Vadinho, principalmente a falta que fazia na cama, onde sempre foi rei. Como crescia o seu desejo ardente de fêmea que só o seu primeiro marido soube explorar; ao mesmo tempo que aumentava o número de pretendentes ao seu belo corpo de jovem viúva.
            
A luta de dona Flor foi imensa. Entre o fogo do desejo sexual cada vez mais intenso e a sua integridade moral. Uma luta destinada a ser vencida pela matéria, mas vestida como coisa humana e não como indecência.
A luta entre desejo e moral, entre corpo e matéria é uma dicotomia de sempre do ser humano que ganha maior ênfase no brasileiro. Jorge Amado pretende desmistificar esta luta que trespassa todo o romance, atribuindo ao desejo carnal da mulher e do homem (mesmo quando há a moral e o matrimónio) o distintivo de humano, tendência natural e nunca degenerescência psicológica. É o combate à hipocrisia social que Jorge Amado faz através de personagens como dona Gisa, mostrando o ridículo e o cómico das «xeretas» da Baía, como dona Dinorá ou dona Rosilda.
Nesta terceira parte é ainda traçada a grandiosidade e mediocridade da raça humana. Grandiosidade, bondade e humanidade em dona Norma, que entende as ânsias sexuais de dona Flor; mediocridade nos aproveitadores pretendentes de dona Flor de que o «Príncipe», o senhor Aluísio é legítimo e infeliz representante.

A quarta parte trata do segundo casamento de dona Flor. Flor casa com o farmacêutico Teodoro. Homem discreto, honrado, de razoáveis posses, dedicado, sensível, honesto, apaixonado e respeitador. Uma segurança, enquanto marido. Incapaz das canalhices do primeiro, muito menos dos seus vícios. Sem deixar de ter aspeto jovem e agradável. Ele permite a dona Flor a segurança económica, a respeitabilidade, a organização dos sentimentos e a garantia da satisfação sexual, estatuto social e dedicação.

A quinta parte é a mais saborosa e fantástica do romance. É aquela em que Vadinho regressa do além e, mostrando-se só para dona Flor, a convence a fazer novamente amor com ele. A princípio cheia de escrúpulos, ela acaba por ceder. Aprende a lição que o amor é um profundo sentimento de alma e de corpo. Sem deixar de amar Teodoro, ele percebe que precisa de Vadinho para responder à parte fogosa, sensual, material de que também é constituída. Percebe que não trai ninguém porque ambas são manifestações do seu Amor.
É neste ponto que entra todo o fantástico e misticismo da obra, pois é através de poderes sobrenaturais que Vadinho regressa, aparece e faz amor com dona Flor para todo o sempre. É esse mesmo poder que o faz inclinar a roleta ou as cartas viciadas para os palpites sugeridos pelos amigos. É esse misticismo e fantástico tão brasileiros que surge m nas evocações de rituais e crendices que os brasileiros foram beber na sua costela africana e americana, onde os ritos, superstições, macumbas e crendices se cruzam e integram com as personagens e com o fluir da história.
Obviamente, dona Flor fica com os dois maridos: um Vadinho malandro e jogador, mas amoroso, ternurento e, sobretudo, competente em negócios de cama; e Teodoro, calmo, organizado, delicado, sensível, apaixonado e respeitador.
          
Neste romance, Jorge Amado retrata o baiano, mas também o brasileiro: o seu desejo de amor, mais carnal que espiritual, mais desejo que moral; a sua ânsia de estatuto social; a sua vontade de fazer tudo perfeito; a sua fome de conhecimento; a sua intenção de crescer intelectualmente. Contudo, no final, a sua eterna concessão ao jogo, ao Carnaval, ao samba, ao riso, à «malandragem», à «safadeza» da pequena traição, ao desejo e à falha.
O brasileiro místico, mas humano, hipócrita, todavia compreensivo, ambicioso, no entanto nobre e sempre alegre. O riso é a sua alma e a sua força e também seu eterno fascínio.
Tudo isto conta Jorge Amado com palavras de cristal, onde a beleza sorridente e comovente nasce do calão, do neologismo, do registo familiar, mas também da variedade e da exatidão com que fixa emoções, caracteres, paisagens (excelente descrição do mar da Baia), mas sobretudo a extraordinária maneira de nas suas palavras e criações (como este romance) fazer ressoar a própria vida.
Gabriel Vilas Boas

domingo, 29 de maio de 2016

LÁ EM CASA MANDA(M) ELA(S)



A frase é recorrente em entrevistas a homens que pontuam deste modo a sua relação com a família, a companheira, o lar. Dizem-no com a intenção de fazer um elogio às suas companheiras e/ou filhas, pretendendo realçar a capacidade de liderança, como quem dá um bodo aos pobres. As mulheres aceitam o cumprimento, com um sorriso, quase sempre concordando orgulhosamente.
A frase é prima da tradicional “Por detrás de um grande homem está sempre uma grande mulher” e funciona já como um cliché social. Não gosto muito de nenhuma delas, porque muitas vezes não são verdadeiras… nem seria bom que o fossem.

“Lá em casa mandam ela” – não é apenas um sinal de reconhecimento do valor e mérito da liderança das mulheres na vida doméstica, mas também uma aceitação tácita desse facto. Este mandar não resultou de alguma luta, de uma vitória do modo feminino de organização da vida doméstica sobre a visão masculina, mas de um abdicar consciente e propositado. Elas mandam porque o homem, oportunisticamente, lhe deixou o trabalho e todas as decisões para ela(s). Ora, quem se demite da sua responsabilidade de “fazer” também se demite do seu direito de mandar. Em muitos casos, só se demite do “dever de fazer” e por isso muitas mulheres sorriem amarelo quando os seus companheiros lhe atribuem louros públicos que em privado são espinhos.

O “Lá em caso mandam elas” é muito bonito de se dizer e agradável de ouvir, mas dispensável. Muitas mulheres prefeririam (estou certo…) mandar menos e partilhar mais: decisões, tarefas, responsabilidades…
Este elogio público contentinho sempre me pareceu uma tentativa de amansar a fera, para manter uma situação conveniente. Mandar na vida do lar é como aqueles empregos com isenção de horário: na aparência um enorme benefício; na prática, o dobro do trabalho sem direito a qualquer resmungo e com o dever a executar o dobro das tarefas que são exigidas a quem tem um horário definido.
A vida doméstica e familiar é uma corresponsabilidade inalienável. Quando alguém faz e decide sozinho é porque o outro se demitiu do seu papel. Raramente é bom e por isso não vejo como alguém pode dizer isto com muito orgulho.

Gabriel Vilas Boas 

sábado, 28 de maio de 2016

FOI VOCÊ QUE REJEITOU UM MÉDICO DE FAMÍLIA?

Provavelmente foi, mas ainda não sabe. A norma já dura há três anos, mas só dela me apercebi há seis meses, quando fui vacinar as minhas filhas e me comunicaram que, a meu pedido, tinha abdicada de ter médico de família.
«-Como? Eu abdiquei de ter médico de família? Como é que isso é possível se nunca me foi atribuído nenhum, durante todos os catorze anos em que moro nesta cidade?
- Pois, não sei! O que sei é que não tem direito a médico de família, porque disse que não queria. Informou-o também que também a sua filha mais velha e a sua mulher deixaram de ter médico de família pelo mesmo motivo.
- O quê? Mas não fomos informados de nada.
- Devem ter-lhe enviado uma carta! O senhor não vem ao Centro de Saúde há mais de três anos, pelo menos. Se tivesse vindo, não perdia o direito a ter médico de família!»

Ainda argumentei que as minhas filhas sempre foram vacinadas no Centro de Saúde, seguindo o plano Nacional de Saúde e que a mais velha tinha sido vacinada em meados de 2012. Além do mais achava absurdo perder o direito a algo que jamais teve. Nada feito! Podia reclamar, mas o certo é que tinha de iniciar o processo novamente, pedindo médico de família para toda a família.

Durante mais de dez anos não me foi atribuído nenhum médico de família. Por casualidade, nunca tive necessidade de recorrer ao Centro de Saúde, e como prémio recebo a notícia que eu próprio, decidi recusar o médico de família, que os serviços, em dez anos, nunca me conseguiram atribuir, apesar de viver numa cidade que não tem dez ml habitantes.
Quando pedi para falar com o diretor do Centro de saúde, informaram-me que não estava. Pedi o horário de atendimento, mas ninguém me sabia informar a que horas e dia o senhor diretor recebia os utentes. Um formulário para reclamar da situação? Não existia. Prova de que me tinham enviado aviso da nova norma legal? Não tinham.

Depois de alguma investigação, percebi que o aviso aos utentes se faz por carta simples. Não há direito a carta registada com aviso de receção. Daqui se infere que tanto podem ter mandado o aviso como não, pois ninguém consegue fazer prova de nada.
Revolta-me esta norma/lei. É uma forma capciosa e mentirosa de fazer baixar o número de pessoas que não têm médico de família e/ou de atribuir rapidamente médico de família a pessoas que tinham de esperar mais algum tempo.
Imaginemos a seguinte situação: um jovem casal chega a uma terra e pede médico de família para a sua família. Nos primeiros tempos, admite que não lhe seja atribuído nenhum, pois acabou de chegar e pressupõe que há muita gente à sua frente na lista de espera. Dado que os seus filhos são saudáveis, não procura o Centro de Saúde, porque dele não precisa a não ser para vacinar os seus filhos. No entanto, passados três anos, é informado que toda a sua família perdeu o direito a médico de família porque o rejeitou.

Não posso aceitar tais métodos. Não posso aceitar que se perca um direito que nunca se usufruiu; não posso concordar que crianças e adultos sejam tratados da mesma forma por uma norma injusta. A não obrigatoriedade de uma notificação em que o utente comprovadamente dela teve conhecimento fere os mais elementares princípios de transparência, boa-fé e equidade.
Esta regra do SNS comporta ainda um enorme contrassenso: para “salvar” o médico de família, o utente deve fingir-se doente pelo menos uma vez de três em três anos, usando indevidamente os serviços do médico que podia estar a dar uma consulta realmente necessária. Não podemos aceitar que alguém tenha que estar fingidamente doente para continuar a ter acesso ao seu médico de família ou simplesmente continuar a figurar na lista daqueles que esperam há mais de uma década que lhe atribuam um.

Gabriel Vilas Boas

sexta-feira, 27 de maio de 2016

AO SUL, de Isabel Silvestre


Há duas décadas, quando fazia a bonita idade de cinquenta anos, Isabel Silvestre lançava uma das suas mais belas canções – AO SUL. Tendo como pano de fundo musical a sonoridade dos instrumentos tradicionais portugueses, Isabel emprestou a uma letra sensível e delicada, a sua voz cheia de ternura e amor, nascida na serra da Freita.
Isabel é muito mais que aquela pronúncia do norte que Reininho trouxe a Lisboa, Isabel é a voz daquele Portugal doce e ternurento que tem “dois braços aberto / que se rende / que se dá / De uma só vez / Por Amor”.

É a beleza doce da voz de Isabel Silvestre que leva o meu pensamento até à planície alentejana, essa maravilha silenciosa do sul, onde muitas vezes procuramos o norte. 
Entre o remorar do vento batendo o trigo, sorvo aquele sol morno e oiço o silêncio apaziguador.
E dentro de silêncio soam límpidas e sábias as palavras de Isabel Silvestre: “Cada um tem a sina que tem/ E os caminhos são sempre de alguém”. Sim, os melhores objetivos da vida têm sempre uma pessoa lá dentro. É por ela que corremos e lutamos; é por ela que vamos além do horizonte e fazemos sacrifícios inesquecíveis.
Até que o tempo nos obrigue, “por amor”, a cortar os frutos que criámos, a podar, pela raiz, os ramos que estendemos à vida num abraço que sonhamos não mais desfazer.
 O lado B dos sonhos é que também os eles têm fim. E talvez assim tenha de ser para que aqueles que foram o nosso sonho possam viver o «seu» dia azul. Eles “têm desejo de partir, pelo prazer de chegar”; nós ficámos “sobre as águas desse rio de saudade, onde a barca dos sentidos nunca partiu”.
GAVB

quinta-feira, 26 de maio de 2016

COMO UM RELÓGIO SUÍÇO


Como fazer respeitar uma tradição de que nos orgulhamos? Através da lei. Como impor a lei a alguém que descaradamente a desafia, usando o truque da liberdade religiosa. Fazendo cumprir a lei com bom senso, ou seja, com proporcionalidade, mas fazendo-a cumprir! Sem rodeios, sem medos nem vinganças. Às vezes o dinheiro é um excelente aliado…

Ocasionalmente, ontem, li uma curiosa notícia suíça, onde é tradição os alunos corresponderem ao cumprimento dos seus professores. Sinal de respeito e educação, esta tradição há muito foi assimilada por todos aqueles que estudam em território helvético.
Recentemente dois adolescentes muçulmanos recusaram cumprimentar uma professora, dizendo que a sua religião os impedia de estabelecer contacto físico com pessoas do sexo oposto, com exceção de membros da família.

Apanhada de surpresa, a escola reagiu com habilidosa cobardia: os alunos ficavam dispensados de cumprimentar professores de ambos os sexos. Só que as autoridades suíças não estiveram dispostas a fazer de conta e resolveram intervir em defesa das suas tradições, dos seus valores, da sua honra.
Os meninos recusam-se a apertar a mão à professora invocando a sua religião? Pois bem, recusem, mas isso terá consequências – uma multa de cinco mil francos (4500 euros), aplicada aos pais ou encarregados de educação, cujos filhos se recusem a cumprimentar os seus professores - decidiram as autoridades do cantão de Basileia.

Rápida, eficaz e autoritária quanto baste. Os suíços interpretam e defendem com rigor as tradições e não se intimidam perante atitudes desafiadoras dos islâmicos. Expulsá-los seria exagerado e desproporcionado; levantar uma discussão sem fim seria inglório, ineficaz e pouco suíço; instituir uma multa que é bem capaz de ser o equivalente ao ordenado de um dos pais destes adolescentes põe aqueles desafiadores das boas tradições suíças no seu sítio. Podem residir na Suíça; podem manter-se escrupulosos seguidores das leis islâmicas in stricto sensu, mas isso vai custar-lhes dinheiro. Rapidamente se perceberá que não estão para tal sacrifício e a religião deixará de funcionar como álibi para a sua atitude provocatória.
Fazer cumprir a Tradição e a Lei é também uma atitude de inteligência e coragem perante os múltiplos desafios e provocações com que outros povos e religiões nos confrontam a cada passo.

GAVB

quarta-feira, 25 de maio de 2016

APRENDER HISTÓRIA OU APRENDER COM A HISTÓRIA?



«A História tal como é ensinada nas escolas, versa grande parte sobre as guerras, grandes controvérsias políticas, extensões territoriais e outros assuntos do mesmo género. Quando fui aos nossos livros de História Americana para saber como os nossos antepassados gradaram a terra, descobri que os historiadores não percebiam nada de grades [utensílios agrícolas]. No entanto, o nosso país dependia mais de grades do que de armas ou discursos pomposos.» Henri Ford, Chicago, 1916

Há precisamente cem anos, o fabricante de automóveis Henri Ford escandalizava o mundo ao chamar «inútil» à História, tal como ela era ensinada. Ao contrário de Ford, não acho que uma História que não dá primazia à vida quotidiana seja inútil, mas penso que as palavras de Ford merecem uma atenção cuidada.

 Para que serve a História? Para aprendermos com ela. E temos aprendido com a História? É claro que temos aprendido muito pouco com a História.
Como diria o padre António Vieira, a culpa ou é do sal (História) que não salga (ensina) ou da terra (pessoas) que não se deixa salgar (ser ensinada). É fácil e cómodo responsabilizar as pessoas, mas penso que a História não está isenta de culpas.

Na escola, promovemos o conhecimento dos factos, queremos que os alunos os relacionem mas evitamos que procurem tirar ilações deles. Têm de os dominar, mas não têm de se pronunciar sobre eles. Dizemos que isso seria introduzir a opinião/subjetividade em algo que se pretende objetivo, mas acho que tal asserção é uma atitude cobarde.

Houve factos maus e factos bons e é conveniente assentarmos ideias sobre o que foi luz e o que foi sombra na lâmina do tempo. O nazismo defendia o extermínio dos judeus e isso foi mau; a escravatura não foi apenas um facto histórico que perdurou durante séculos, mas essencialmente uma indignidade eivada de enorme maldade. O mundo conheceu duas grandes guerras durante o século XX e isso foi catastrófico, porque a guerra é indiscutivelmente má e só aparentemente resolve problemas.
Quando a humanidade se permite repetir, em três décadas, dois conflitos bélicos à escala global, revela estupidez.
Acho importante aprender História, mas o essencial é aprender com a História, porque um Homem que só sabe História nem de História sabe. A História que aprendemos na escola corre o risco de se tornar aquela inutilidade anunciada por Ford se apenas se detiver no passado e abdicar de influenciar o futuro.

Gabriel Vilas Boas

terça-feira, 24 de maio de 2016

PROSTITUIÇÃO E DROGAS LEVES: LEGALIZAR PARA COBRAR?


Ao que parece as grandes ideias da Juventude Socialista para Portugal passam por legalizar a prostituição e o consumo de drogas leves, com o intuito de as taxar.
A ideia parece-me totalmente descabida e até abjeta. Como pode o JS pensar em fazer dinheiro com dois “cancros sociais” como são a prostituição e o consumo de drogas? Apesar de termos aprendido a tolerar aqueles que navegam as turbas águas desses mundos, eles não deixaram de ser maléficos para a sociedade.

A Lei comporta os fundamentos em que cada sociedade quer viver. E não é admissível que queiramos alicerçar a nossa sociedade em pilares como o consumo de droga ou a prostituição. Legalizar é, no mínimo, dizer “Não é mau.”
A sociedade encontrou um modo de acomodar a humanidade que os toxicodependentes e as prostitutas merecem, tolerando os seus comportamentos, diminuindo o grau de censura pública, permitindo a sua reabilitação social. No entanto, esses comportamentos continuam a ser censuráveis e evitáveis.

Nada justifica a sua legalização, nem mesmo a falta de dinheiro no erário público. A honra, a ética e os valores fundamentais de uma sociedade não são negociáveis. Nada é mais nefasto ao levantar económico de um povo que ele se deixar “prostituir” pela força do dinheiro ou ser incapaz de fazer frente a uma qualquer droga que o possui.
Se a ideia da JS era fazer passar a legalização da prostituição e do consumo das drogas leves, usando como argumento de ocasião que desse modo se poderiam arrecadar enormes receitas fiscais, então a JS tem uma agenda política errada, pois a juventude portuguesa não precisa de aprofundar vícios ou legalizar imoralidades. A juventude portuguesa precisa de emprego, de bons salários, de condições económicas razoáveis para constituir família, de acesso as bolsas de estudo, de um regime de arrendamento favorável nas grandes cidades…

A legalização da prostituição e do consumo das drogas leves não diminuirá nenhum desses flagelos, mas dará um sinal errado sobre o qual deve ser o caminho que os jovens devem esforçar-se por trilhar.
Fazer política de juventude não é abrir fraturas sociais, viver na polémica estéril e inútil, mas somente estar atento aos problemas que consomem a vida dos jovens portugueses.

Talvez a prostituição seja mais do domínio da imoralidade que do da legalidade, mas uma lei imoral é sempre uma má lei. Legalizar a imoralidade, aproveitando-se hipocritamente dela, é matar toda a Ética que deve fundamentar uma sociedade.

Gabriel Vilas Boas

segunda-feira, 23 de maio de 2016

CRUZES CANHOTO


«- Ai tu és canhoto?!»
Pois sou! Eu e uma imensa minoria, que se faz notar por esse mundo fora também por ser esquerdina. Que o digam génios da bola como Maradona ou da ciência como Leonardo Da Vince ou da física como Albert Einstein ou da pintura como Miguel Ângelo.
Nós, canhotos, gostamos de apresentar estes cartões-de-visita para demonstrar que não temos nenhum pacto com o diabo nem com a mediocridade, apesar dos italianos dizerem que a nossa mão preferida é a “sinistra”.

Isto de ser canhoto ou destro não foi escolha nossa. É genético! Diz um estudo das universidades de Oxford, Bristol e Andrews, e provavelmente deve-se ao facto de um dos nossos pais (ou mesmo os dois) serem canhotos. Segundo um estudo científico, é a interação entre o património genético e o ambiente intrauterino que determina a lateralidade. Depois há um gene altamente suspeito – o PCSK6 – que dizem ter posto alguns a escreverem com a mão esquerda.
Sobre os canhotos há muitas histórias, algumas mirabolantes e do domínio da efabulação, outras mais sérias e do domínio da ciência. 

No entanto, quer umas quer outras são deveras curiosas. Uma delas diz que os esquerdinos ganham 10% ou 12% menos que os destros. Uma injustiça pegada até porque é vox populi que os canhotos são mais inteligentes e criativos.  
Estes dois fatores deixam-me mais descansado quanto ao futuro da América, pois é altamente improvável que Donald Trump seja esquerdino e por isso as suas hipóteses de suceder ao canhoto Obama são diminutas. É que quatro dos últimos sete presidentes dos EUA escrevem com a mão esquerda.
Se a carteira dos esquerdinos está injustamente mais vazia que a dos destros, outros fatores há que os compensam. Um estudo da loja de brinquedos eróticos Lelo afirma que os canhotos são cinco vezes mais satisfeitos sexualmente que os destros. 

Estudos anteriores já tinham provado que os canhotos recebem mais testosterona quando estão no útero materno e isso fá—los mais dominadores na cama. Esses estudos referem mesmo que 86% dos canhotos se dizem “extremamente satisfeitos” no que à sua vida sexual diz respeito enquanto a percentagem dos destros não ultrapassa os 15%. Bill Clinton devia ter evocado estes estudos em sua defesa. Bastava ter dito “Sou canhoto! O que é que estavam à espera?” que toda a gente entenderia! Como disse atrás, esta coisa de ser canhoto é genético, não se compra no supermercado…

Não sei se por excesso de criatividade ou de atividade, a verdade é que os esquerdinos vivem menos que os destros. Nove anos – quase uma década! Além disso, têm seis vezes mais probabilidade de sofrerem acidentes mortais que os destros. Qualquer dia anulam-me o seguro de saúde.

Se ser esquerdino pode ser um perigo, também pode ser um problema. O investigador Joshua Goodman defende que os canhotos têm mais problemas de fala e comportamento, nas escolas, do que os destros. Talvez porque as suas emoções estão invertidas no cérebro. É isso mesmo que se conclui outro estudo, que refere que os canhotos processam as informações do lado oposto do cérebro que os destros. Durante anos pensou-se que a motivação era processada sobretudo do lado esquerdo do cérebro… mas nunca se provou tal. O que se demonstrou foi que os canhotos processam mais rapidamente estímulos cerebrais.
Agora que todos vocês já estão fartinhos de “esquerdices”, eis a minha conclusão absolutamente (im)parcial: um canhoto é uma espécie rara e muito preciosa: mais criativo, mais inteligente, mais barato, mais fácil de despachar e uma melhor garantia de “extrema satisfação”.

Gabriel Vilas Boas

domingo, 22 de maio de 2016

ELES NÃO SAEM ÀS PEDRAS DA CALÇADA


Ouvi este comentário várias vezes a algumas colegas mais velhas, quando comentavam os destemperos dos seus alunos, cujos pais, por acaso, tinham sido seus alunos também.
A influência dos pais na nossa formação é sempre maior que a gente admite ou pensa. É claro que há as circunstâncias, o tempo em que vivemos e sobretudo a nossa própria vontade, mas é um erro crasso desprezar quanto da tradição familiar permanece em nós.


E se virarmos o tabuleiro e nos pusermos no papel dos pais, será que temos a perceção de quanto de nós os nossos filhos absorvem inconscientemente? Acho que aqui a perceção é bem menor. Talvez nos primeiros anos de vida das crianças tenhamos mais consciência de como o exemplo é importante, mas o surgimento dos grandes problemas do desenvolvimento da personalidade dos filhos (adolescência/juventude) apanham muitos pais em contramão. Ou porque também eles estão ensarilhados nos seus próprios problemas relacionais ou porque se sentem incapazes de dar respostas capazes e convincentes às equações colocados pelos seus rebentos ou porque perderam a noção de quanto tudo aquilo que fazem se repercute, consciente e inconscientemente, na evolução dos filhos.

A maneira como o pai trata a mãe e vice-versa; o modo de lidar com o dinheiro; a transigência ou intransigência com valores essenciais como a verdade, a amizade, a honra são defendidos; o estilo e a forma do relacionamento interpessoal; a relação com a família alargada; o comprometimento com o trabalho (no caso dos alunos, com a escola) são eixos fundamentais que os pais vão legando aos filhos, através do exemplo. 
Ainda que os filhos rejeitem claramente o exemplo dado (por exemplo, o pai bate na mãe), ele está presente de forma vincada, através da mágoa, de um trauma ou como um sinal claro do que não se deve fazer.


Apesar de perceber quanto determinante é o exemplo dos pais na formação da personalidade dos filhos, não acho que os pais devam estar agarrados a uma representação ideal de pai/mãe para não estragar o futuro do filhinho(a). 
É importante ser atento, responsável, mas, antes de mais, genuíno. Não deixar de ser quem é, explicar que há vários caminhos para atingir um objetivo e nunca deixar de envolver a liberdade do filho no processo de crescimento, pois acho imperioso que o adolescente/jovem perceba que um bom/mau exemplo é só um começo que ele pode aceitar ou rejeitar; que os pais são um excelente ajuda, mas a decisão final tem de ser deles. 
O desenvolvimento de uma personalidade só se faz quando o próprio se implica nela e também investe em si.

Obviamente saímos a alguém, mas para que alguém saia a nós, temos de nos construir como peça única e irrepetível.

Gabriel Vilas Boas

sábado, 21 de maio de 2016

DAVID VOLTA A VENCER GOLIAS


David Sualehe é o nome de um jovem jogador de futebol, de 19 anos, que nasceu em Moçambique e joga no Futebol Clube do Porto. No domingo passado viu-se envolvido numa polémica a propósito das comemorações da vitória do Benfica no campeonato nacional de futebol e respondeu, durante a semana, com uma grandeza, sabedoria e inteligência fora do comum que me encheram de alegria.

A história é simples e conta-se em poucas palavras: David Sualehe estava com duas amigas benfiquistas à hora em que estas comemoravam a vitória do seu clube, no domingo passado. Ambas se fizeram fotografar na festa encarnada e na mesma foto figurava também o amigo que as acompanhava no carro. A foto foi parar às redes sociais, onde fanáticos adeptos do Porto (podiam ser do Benfica, do Sporting, do Braga ou do Guimarães que também os há em igual medida e com igual ódio irracional) fizeram questão de despejar toda a sua indignação por um dos seus estar a comemorar a vitória do rival. David não estava a comemorar a vitória de nenhum rival, David estava com duas amigas, mas gente que vive no ódio e provavelmente nunca gostou a sério de desporto nem do seu clube é incapaz de entender isto.

Foi então que sugeriu, para mim, o melhor da história: a intervenção madura deste jovem de 19 anos que, através de um post colocado nas redes sociais, disse tudo o que há muito devia ter sido dito por comentadores desportivos, dirigentes de clubes e até atletas:
«Tenho muito carinho e respeito ao emblema que carrego. Mas isto não invalida de estar com amigos/as adeptos de outros clubes.»
Não foi um jogador do Porto a festejar com duas amigas, mas três amigos juntos num carros como vos acontece, certamente. E isto nada tem a ver com clubismos! Amizade não tem cor, religião ou clube…»
«Fico triste pelas pessoas se acharem no direito de determinarem a liberdade de cada um. O que posso ou não fazer. O que posso ou não dizer. Fico mesmo triste por saber que existem pessoas mais donas dos outros que de si próprias e, principalmente, por não perceberem que antes de jogador, sou filho, amigo e irmão.»
Como foste enorme David. Como te agradeço que tenhas, com tão sábias e maduras palavras, derrotado esse imenso Golias que espuma ódio, incompreensão e intolerância sobre todos aqueles que não são das suas cores e não os deixam comemorar como têm direito.
Como certamente já ouviste os adeptos do Liverpool cantar: You ‘ll never walk alone.

Gabriel Vilas Boas

sexta-feira, 20 de maio de 2016

CONNETING OR DISCONNECTING PEOPLE?

«Não posso crer! Não tenho rede!» «O quê? Aqui não há wi-fi? Que desgraça!»
Não estar permanentemente «ligado à net» tornou-se uma angústia difícil de disfarçar para milhões de pessoas em todo o mundo. Como um viciado que não consegue ocultar por muito tempo a ausência da dose certa da sua droga de eleição, consultamos o visor do telemóvel vezes sem conta à procura de uma qualquer novidade nas redes sociais, no feed noticioso de um jornal, no email privado, como se aquela informação fosse vital para respirarmos.
Esta permanente necessidade de estar conectado ao mundo virtual é de tal modo evidente que se tornou obsessiva, mas poucas vezes damos conta do estado a que chegamos.

Por quê esta necessidade? A necessidade não existe! O que se passa é que fomos apanhados na rede e não demos conta que nos tornámos dependentes deste frenesim diário de coscuvilhice global, para iludir o vazio que nos consome a alma.
Procuramos avidamente na net qualquer coisa que nos entretenha, porque sentimos o peso da solidão. Buscamos pessoas e as suas histórias; queremos desabafar, encontrar alguém que nos ouça, que nos apoie, mas temos imenso medo do contraditório que a simples presença do outro podia trazer.

Queremos chegar, ver sem ser visto, desabafar sem ter que ouvir o outro, partir quando nos apetece sem ter que ser descortês, receber sem ter nenhuma obrigação de dar. 
No mundo maravilhoso da net tudo isto é possível, mas não é real. Todos aqueles “likes”, “smiles”, comentários elogiosos são pouco fiáveis e nós sabemos bem disso. Preenchem-nos apenas no instante em que deles usufruímos e extinguem-se de seguida. Rapidamente regressamos ao vazio e ao estado de necessidade.
Por outro lado, à medida que vamos conectando a nossa vida social virtual, vamos desconectando o nosso círculo real de amigos. Custa-nos imenso encontrar uma oportunidade para conversarmos sem hora marcada, abordar alegrias e tristezas sem rodeios, apreciar e criticar sem receio.
A net é uma rede fantástica que permite inúmeras possibilidades de ampliares conhecimentos, angariares conforto, estabeleceres contacto. Se não te souberes servir dela, ela servir-se-á de ti.

Gabriel Vilas Boas